terça-feira, março 08, 2016

PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL QUER CONDENAÇÃO DA PREFEITA DE CAMPOS

FOLHA DA MANHÃ:


PRE quer condenação de Rosinha

Foto: Folha da Manhã
A Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) no Rio de Janeiro pediu à Justiça Eleitoral que verifique possível omissão no acórdão que liberou a prefeita de Campos, Rosinha Garotinho (PR), o vice-prefeito Dr. Chicão (PR) e outros oito réus das acusações de conduta vedada e abuso de poder. No processo aberto pelo Partido Republicano Progressista (PRP) em função das eleições de 2012, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) manteve os réus respondendo apenas à acusação de captação ilícita de sufrágio. Em manifestação (contrarrazões) ao recurso, a PRE sustentou que eles cometeram os três ilícitos eleitorais. A jornalista Suzy Monteiro abordou o assunto em seu blog, Na Curva do Rio, hospedado na Folha Online.
A ação de investigação judicial eleitoral defendida pela PRE partiu da criação do chamado Regime de Contratação de Pessoal por Tempo Determinado (Reda). Na avaliação do procurador regional eleitoral Sidney Madruga, a aprovação de norma para a contratação de mais de 1.600 trabalhadores “desequilibrou o pleito de 2012 a favor desse grupo político”.
Em agosto de 2012, o então juiz da 4ª Vara da Comarca de Campos, Wladimir Hungria, concedeu liminar suspendendo todos os contratados sob o regime do Reda. A Prefeitura chegou a recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF). À época presidente da Corte, Joaquim Barbosa confirmou a decisão de 1ª instância.
Na ação contestada pela PRE, além da prefeita e de seu vice, são réus os então secretários municipais e dirigentes de autarquias que publicaram editais para processos seletivos simplificados para diversos cargos e especialidades às vésperas das eleições municipais.
“O acórdão questionado descontextualiza os elementos expostos e omite da análise elementos que caracterizariam o abuso de poder político. Impõe-se regularizar o vício apontado, para decidir sobre a ilegalidade das contratações temporárias de pessoal”, alegou Sidney Madruga, que também observou que a imputação de conduta vedada foi afastada indevidamente, sob o fundamento de que os processos seletivos teriam ocorrido antes do período vedado. “À luz do princípio da razoabilidade, tanto o abuso de poder quanto a conduta vedada se configuraram”.
Pedido é para verificar possível omissão
O pedido da PRE à Justiça Eleitoral é referente à decisão do Tribunal Regional Eleitoral que anulou a cassação da prefeita Rosinha Garotinho, do seu vice, e a inelegibilidade de secretários e ex-secretários por conta da contratação dos servidores temporários por meio do Reda. A decisão do colegiado, que começou a analisar o caso no dia 2 de fevereiro, foi concluída no dia 17 do mesmo mês.
Inicialmente, o juiz Luiz Alfredo de Carvalho Junior havia entendido que a contratação dos 1.166 funcionários violou a igualdade de condições na competição eleitoral no ano de 2012.
No entanto, o TRE entendeu que não houve a “prática de conduta vedada a agente público porque as admissões foram realizadas sem desrespeitar o período vedado pela legislação eleitoral, de três meses antes da eleição”.


Na ação, também figuravam como réus os seguintes ex-secretários e secretários: Izaura Colodete Antonio de Sá, Magno Prisco, Ana Lúcia Boynard, Patrícia Cordeiro, Marcelo Neves Barreto, Geraldo Venâncio e Cesar Salles. (A.N.A.) (A.N.)

4 comentários:

  1. Otimo que revejam esse caso,afinal os únicos prejudicados foram os trabalhadores que ficaram trabalhando por 6 meses pela secretaria de família que na época era de responsabilidade Izaura Freire e nao recebemos um centavo.

    ResponderExcluir
  2. Prezado blogueiro: tire um tempinho e ouça o programa da manhã da rádio O Diário, “Fala Garotinho”. Nele há um personagem fictício, um velho sendo imitado, que diz fazer críticas ao governo Rosinha, mas por ela dar casa para pobres, dar a educação a pobre, dar passagem a um real. Humoristicamente, ele diz que odeia pobres... e a tal da Linda Mara repete depois, dizendo que a oposição anda de Mercedes, que vai acabar com a passagem a um real, com a cidade da criança, etc. Um escárnio com a oposição e descarada propaganda eleitoral antecipada. Linda Mara, assessora da prefeita, recebe dos cofres públicos para isso... E mais: sabe quem incorpora o tal personagem, com voz de falsete e tudo? O sr. Jorge Luiz, da fundação Zumbi, que tb ganha dos cofres públicos... A oposição tem que se mexer!

    ResponderExcluir
  3. Fundação dos Zubis dos cofres da prefeitura. Todos com cara de Zumbi.A mamata vai acabar.Lava jato tá vindo pra Campos

    ResponderExcluir
  4. Ministério Público

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião