quarta-feira, julho 27, 2016

SULEDIL SE ENVOLVE EM ACIDENTE, MAS NÃO SE FERE

O secretário de controle da prefeitura de Campos, Suledil Bernardino, teve o veículo em que trafegava, na manhã desta quarta,27, envolvido num acidente de trânsito.

Suledil não se feriu, mas foi submetido a avaliação médica. Está bem e já foi pra casa.

GRUPOS SE MOBILIZAM PARA BOICOTAR A PASSAGEM DA TOCHA OLIMPICA EM CAMOS

Grupos se mobilizam, pelas redes sociais, para boicotar a passagem da tocha olímpica, em Campos.

Eu estarei à quilômetros de distância.

IMPRENSA ESTRANGEIRA:"NA BAIA DA GUANABARA ATLETAS VÃO NADAR NA MERDA"

Fico sempre muito chateado quando tomo conhecimento de críticas ao Brasil feitas por estrangeiros, mas confesso que, dessa vez, sou forçado a concordar com matéria publicada pelo jornal americano The New York Times sobre o estado lastimável em que se encontra a Baia da Guanabara, onde haverá provas olímpicas.

Leia matéria no Extra:

(Foto de Roberto Moreyra - acervo de o Extra)


Extra
Tamanho do textoA A A
Especialistas da área de saúde ouvidos pelo jornal americano “The New York Times” aconselharam os atletas que competirão em águas abertas nos Jogos Olímpicos do Rio a “manter a boca fechada”. A publicação lembra que, há sete anos, o governo brasileiro se comprometeu a limpar a Baía de Guanabara, onde os eventos de vela serão realizados. No entanto, cientistas e especialistas em meio ambiente explicam que hoje o local está ainda mais contaminado.
O jornal recorda promessas do governo brasileiro, feitas há sete anos, de conter os resíduos que poluem a Baía de Guanabara, e diz também que as autoridades reconhecem que os seus esforços para tratar o esgoto têm ficado muito aquém do esperado.
A publicação relata ainda que recentes testes realizados apontaram a presença de um rotavírus na água que causam diarreia e vômitos. Eles apresentam também uma pesquisa feita pela Universidade Federal do Rio (UFRJ) nas praias de Ipanema e Leblon, que também detectaram uma alta porcentagem de contaminação.
— Atletas estrangeiros vão nadar, literalmente, na merda humana, e estarão sob risco de contágio de uma doença causada por todos estes organismos — disse o Dr. Daniel Becker, pediatra brasileiro ouvido pelo “The New York Times”, que acrescenta: — É triste, mas também preocupante.
Recentemente, uma atleta da equipe de vela da Alemanha falou sobre sua experiência em treinamentos na Baía de Guanabara.
— Temos que manter a boca fechada quando a água é espirrada — criticou Afrodite Zegers.

terça-feira, julho 26, 2016

ACORDO ENTRE ARNALDO E PUDIM CONFIRMADO

Tudo sinaliza para a celebração da aliança de Arnaldo Vianna e Geraldo Pudim, com seus respectivos partidos, nas eleições municipais deste ano, em Campos.

O acordo que pode legitimar uma chapa para a disputa da sucessão foi confirmado pelo deputado estadual Geraldo Pudim.

O ex-prefeito Arnaldo Vianna é, segundo todas as mais recentes pesquisas de intenção de votos, o précandidato de maior visibilidade eleitoral.

Leia matéria no Blog Opiniões.

ESTADO ISLÂMICO INVADE IGREJA NA FRANÇA MATA PADRE E FAZ REFÉNS

O furor cego e assassino do Estado Islâmico não têm limites. Homens, mulheres, velhos e crianças são suas vítimas preferenciais. Nesta terça, 26, a vítima foi um padre francês.

Leia no G1:


26/07/2016 06h05 - Atualizado em 26/07/2016 12h03

Padre é morto após ser feito refém em igreja da Normandia, na França

Dois homens armados com facas invadiram igreja durante uma missa.
Três reféns ficaram feridos; Estado Islâmico reivindicou a autoria.

Do G1, em São Paulo
Dois homens armados com facas fizeram reféns um padre, duas freiras e dois fiéis em uma igreja de Saint-Etienne-du-Rouvray, na região da Normandia, no norte da França, na manhã desta terça-feira (26). O padre, Jacques Hamel, de 84 anos, foi morto. Outros três reféns ficaram feridos - um deles em estado grave.
Reféns em igreja
O Estado Islâmico reivindicou a autoria do atentado, que terminou após a polícia matar os dois terroristas. "Eles responderam aos chamados para atacar os países da coalizão internacional [que luta contra o Estado Islâmico no Iraque e na Síria]", afirmou a Amaq, agência ligada ao grupo jihadista.
Poucos minutos antes, o presidente francês, François Hollande, já tinha declarado que os criminosos disseram pertencer ao grupo terrorista. Hollande, que foi até o local do crime, qualificou o ato como "um ignóbil atentado".
Um dos criminosos já era conhecido da polícia e tinha a chamada ficha “S”, que indica a suspeita das autoridades francesas com relação ao elo com atividades terroristas, segundo o jornal francês “Le Figaro”. Ele tinha tentado partir para Síria e, quando voltou, foi acusado de associação para o crime e foi preso provisoriamente antes de ser liberado com uma pulseira eletrônica.
Ataque
O "Le Figaro" afirmou que os dois homens armados entraram na igreja durante a missa matinal. Fontes policiais informaram que pelo menos um deles usava barba e uma espécie de gorro de lã utilizado por muçulmanos.
Padre Jacques Hamel, de 84 anos, foi degolado após dois homens armados com faca invadirem a paróquia em que trabalhava em Saint-Etienne-du-Rouvray, na Normandia, nesta terça-feira (26) (Foto: AFP)O padre Jacques Hamel, de 84 anos, foi degolado após dois homens armados com faca invadirem a paróquia em que trabalhava em Saint-Etienne-du-Rouvray, na Normandia, nesta terça-feira (26) (Foto: AFP)
Agentes do corpo de elite da Brigada de Investigação e Intervenção (BRI) da polícia local cercaram o imóvel e tentaram negociar com a dupla. O cerco só acabou após 40 minutos, quando agentes de segurança mataram os criminosos. Jacques Hamel, que foi degolado, trabalhava nessa igreja há cerca de 20 anos.
Uma pessoa foi presa durante as investigações do atentado, de acordo com a Associated Press.

Repercussão
O Vaticano condenou o "bárbaro assassinato" do padre. Na avaliação da Santa Sé, o ato se torna "ainda mais odioso" por ter ocorrido em um local sagrado, segundo a Reuters.
O primeiro-ministro, Manuel Valls, expressou "horror" por este "ataque bárbaro contra uma Igreja". "Toda a França e todos os católicos estão feridos. Permaneceremos juntos", escreveu no Twitter. Valls havia advertido há uma semana que a França deveria se preparar para ser alvo de "outros atentados".
O ato é o mais recente em uma série de ataques violentos na Europa. A morte do padre ocorre em um contexto de alerta máximo na França 12 dias após um tunisiano matar 84 pessoas com um caminhão em Nice, em ataque reivindicado pelo Estado Islâmico.
O país foi alvo de três ataques de grande porte nos últimos 18 meses - 17 mortos em janeiro de 2015, 130 mortos em 13 de novembro de 2015 e esse último em Nice.
Dois homens fizeram reféns em uma igreja Saint Etienne du Rouvray, na região da Normandia,  no norte da França, na manhã desta terça. Um padre morreu (Foto: Charly Triballeau / AFP)Dois homens fizeram reféns em uma igreja Saint Etienne du Rouvray, na região da Normandia, no norte da França, na manhã desta terça. Um padre morreu (Foto: Charly Triballeau / AFP)
Católicos
Depois do ataque em Nice, a França estendeu por seis meses o estado de emergência, em vigor desde os atentados terroristas de 13 de novembro de 2015 em Paris. O regime dá à polícia poderes adicionais.

Em sua propaganda e seus comunicados de reivindicação, o grupo Estado Islâmico convoca a atacar os líderes "cruzados" ocidentais e o "reino da Cruz", uma expressão que faria referência à Europa, segundo a France Presse.

A ameaça de um ataque contra um local de culto cristão estava na mente de todos na França, sobretudo depois que um projeto de atentado contra uma igreja católica nos arredores de Paris em abril de 2015 foi abortado.
Após esta tentativa, o governo havia anunciado que adaptaria seu dispositivo de luta antiterrorista aos locais de culto católicos.

Cerca de 700 escolas e sinagogas judaicas, assim como entre 1 mil e 2,5 mil mesquitas, estão protegidas por militares, mas parece difícil aplicar estas mesmas medidas de segurança às 4,5 mil igrejas católicas do país.

UMA ALIANÇA DE ARNALDO E PUDIM ESTÁ EM MARCHA

Uma aliança eleitoral pode estar à caminho e, certamente, provovcará, caso se efetive, radicais alterações no tabuleiro da sucessão, municipal, em Campos.

Leia matéria da Folha da Manhã - Blog Opiniões, do jornalista Aluysio Abreu Barbosa:

Arnaldo e Pudim juntos à sucessão de Rosinha?

Ex-companheiros na chapa vencedora da eleição municipal de 2000, Arnaldo e Pudim conversam no Rio (montagem: L. Gomes)
Ex-companheiros na chapa vencedora da eleição municipal de 2000, Arnaldo e Pudim conversam no Rio (montagem: L. Gomes)


Na vida pública recente de Campos, ficou célebre a frase do deputado federal Paulo Feijó (PR): “Na política, só falta boi voar”. Hoje, talvez tenha faltado pouco. Por mais de cinco horas, entre às 14h e 19h, se reuniram no Rio de Janeiro o deputado estadual Geraldo Pudim (PMDB) e o ex-prefeito Arnaldo Vianna (PEN). O primeiro é pré-candidato a prefeito de Campos, o que o segundo também diz ser, embora nem ele mesmo tenha certeza (aqui) se terá condições jurídicas de disputar o pleito.
Embora nada de concreto tenha sido acordado entre os dois líderes políticos, as eleições municipais de Campos em outubro, a formação de suas chapas e coligações dominaram a pauta do debate:
— Do lado do PMDB, acho que o encontro se desenvolveu com muito pragmatismo. Do ponto de vista pessoal, foi também muito bom, porque podemos retomar contato, após alguns anos de afastamento. E Arnaldo é uma pessoa muito querida, não só para mim, como para a grande maioria dos campistas. Seu apoio mudaria o tabuleiro não só em Campos, mas também na política do Estado. Há possibilidade de coligação, mas nada ficou acordado. Vamos conversar até o final — disse Pudim, cuja convenção do PMDB está marcada para dia 29, na próxima sexta, um dia antes da convenção do PEN, dia 30.
Arnaldo e Pudim foram eleitos, respectivamente, prefeito e vice em 2000. Mas o marido e secretário da prefeita atual, Rosinha Garotinho (PR), nos tempos em que ele tinha cacife para se candidatar à presidência da República, rachou com Arnaldo em 2002 e forçou Pudim a fazer o mesmo.
Depois, um pouco antes da eleição municipal de 2004, na qual foi pela primeira vez candidato a prefeito, Pudim chegou a assumir, por decisão judicial, a cadeira de Arnaldo por um dia. Mas saiu no seguinte, pela mesma via, gerando uma das manchetes mais populares dos 38 anos da Folha, com base no slogan de campanha de quem acabaria perdendo aquela eleição no segundo turno: “Chegou Pudim, saiu Pudim”.
Apesar de insistir na sua pré-candidatura duvidosa pelo PEN, Arnaldo tem o filho Caio Vianna (PDT) liderando (aqui) as pesquisas de intenção de voto pela sucessão de Rosinha. No último sábado, dia 23, enquanto a convenção do PDT lançou (aqui) Caio candidato a prefeito com o vereador Gil Vianna (PSB) de vice, Arnaldo postou um vídeo (aqui) para tratar da sua ausência no evento, quando chegou a falar de “estelionato eleitoral”. O ex-vereador Marcos Bacellar (PDT) usou o mesmo termo para atacar o ex-prefeito, enquanto Caio preferiu contemporizar.

Leia a cobertura completa amanhã na edição impressa da Folha

quarta-feira, julho 20, 2016

HOJE COMEÇA O PRAZO PARA AS CONVENÇÕES PARTIDÁRIAS

G1:

20/07/2016 08h24 - Atualizado em 20/07/2016 08h24

Convenções partidárias têm início nesta quarta-feira no país

Partidos já podem formalizar contratos que gerem despesas e gastos.
TSE divulgará o limite de valor para os candidatos de cada município.

Do G1, em São Paulo


As convenções partidárias que irão definir os candidatos a vereador e a prefeito dos 5.570 municípios do país têm início nesta quarta-feira (20). Elas devem ocorrer até o dia 5 de agosto. Vários partidos em cidades espalhadas pelo Brasil marcaram sua convenção já para este primeiro dia do prazo.
Durante o período, os partidos se reúnem para decidir também as coligações a serem formadas para o pleito deste ano.
A partir desta quarta, os partidos e candidatos já poderão formalizar contratos que gerem despesas e gastos com a instalação física e virtual de seus comitês de campanha.
Os gastos, no entanto, só serão efetivados após a Justiça Eleitoral receber o CNPJ, a conta bancária específica para a movimentação financeira de campanha e os recibos eleitorais.
Os candidatos poderão gastar um valor limitado a cada município. O TSE divulga também nesta quarta-feira o teto para cada cidade do Brasil.
Processos eleitorais
A Lei das Eleições também determina que a partir desta quarta os processos eleitorais tenham prioridade de tramitação e julgamento em relação aos demais. São exceção apenas os habeas corpus e mandados de segurança.
A lei estabelece que juízes e promotores, a partir dessa data, não podem deixar de cumprir os prazos definidos. O descumprimento constitui crime de responsabilidade e é objeto de anotação funcional para efeito de promoção na carreira.
Além das polícias judiciárias, os órgãos da Receita federal, estadual e municipal, os tribunais e órgãos de Contas auxiliarão a Justiça Eleitoral na apuração dos delitos eleitorais, com prioridade sobre suas atribuições regulares.

Sistema e enquetes
Também estará disponível nesta quarta o download, no site do TSE, do Sistema de Prestação de Contas Eleitorais (SPCE). A ferramenta deve ser utilizada por candidatos e partidos políticos para registrar a movimentação financeira da campanha e gerar a prestação de contas eleitoral.
Já as enquetes referentes ao processo eleitoral estão proibidas. Segundo a definição, enquete é a simples coleta de opiniões de eleitores sem nenhum controle de amostra e sem a utilização de método científico para sua realização. Esse tipo de consulta depende apenas da participação espontânea do interessado.
Já a pesquisa eleitoral, que está permitida e deve ser registrada, requer dados estatísticos realizados junto a uma parcela da população de eleitores, com o objetivo de comparar a preferência e a intenção de voto a respeito dos candidatos que disputam determinada eleição.
A divulgação de enquetes e sondagens em desacordo com as regras previstas na legislação eleitoral pode ser punida com o pagamento de multa, que varia de R$ 53 a R$ 106 mil.

terça-feira, julho 19, 2016

SUSPENSÃO DO WHATSAPP É DESASTROSA PARA A POPULAÇÃO E PARA ECONOMIA

“Reflexos da suspensão do Whatsapp são desastrosos para a população e para a economia”, diz VP da camara-e.net



Segundo Leonardo Palhares, Justiça precisa encontrar meio-termo para o bloqueio; é a terceira vez em menos de um ano que om aplicativo é tirado do ar



Pela terceira vez em menos de um ano, a Justiça brasileira ordena o bloqueio do Whatsapp. Desta vez não há prazo determinado para o bloqueio, e os mais de 100 milhões de usuários do aplicativo no Brasil ficarão sem trocar mensagens até que o Facebook envie os dados exigidos pela juíza Daniela Barbosa, da comarca de Duque de Caxias (RJ). “É preciso encontrar um meio-termo para essa situação de suspensão no Whatsapp, pois os reflexos de uma medida como essa são desastrosos tanto para a população quanto para a economia brasileira”, defende Leonardo Palhares, vice-presidente de Estratégias da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net). Para Palhares, o bloqueio da ferramenta não prejudica apenas os usuários, mas milhares de pequenos negócios que utilizam o aplicativo para a comunicação com clientes e fornecedores.

A Justiça quer que o Facebook intercepte mensagens trocadas por pessoas envolvidas em crimes na região de Duque de Caxias antes de serem criptografadas ou que disponibilize tecnologia que permita a quebra da criptografia em tempo real (uma espécie de grampo telefônico no Whatsapp).

Como das outras vezes em que o aplicativo foi suspenso, há uma desproporcionalidade na aplicação da lei. “Há outras maneiras legais de conseguir informações sem que milhões de pessoas que não estão envolvidas diretamente na prática do alegado crime sejam afetadas”, explica Palhares.

Por determinação da Justiça, o Whatsapp já foi suspenso no Brasil em outras duas ocasiões. A primeira, em dezembro do ano passado, quando o bloqueio caiu por liminar em menos de 24 horas. A segunda, em maio deste ano, deixou o aplicativo bloqueado por 24 horas. Os juízes que pediram a suspensão alegam que o Facebook se recusa a enviar informações sobre usuários que estão sob investigação.  Por sua vez, o Facebook diz não ser possível fornecer os dados pedidos. E a queda de braço continua. Mas em vez de um ou outro saírem prejudicados, perdem os milhões de brasileiros que usam o aplicativo. E perde também o Brasil, que tem sua imagem abalada internacionalmente às vésperas dos Jogos Olímpicos.



Sobre a camara-e.net: Fundada em 2001, a camara-e.net é.a principal entidade brasileira multissetorial da América Latina e de maior representatividade da economia digital no País, formando consenso no segmento perante os principais agentes públicos e privados, nacionais e internacionais e promovendo o desenvolvimento dos negócios on-line no Brasil. Em seu quadro de associados, a camara-e.net conta com os mais importantes players do comércio eletrônico, entre eles empresas de infraestrutura, mídias sociais, chaves públicas, meios de pagamento, seguros e e-banking. www.camara-e.net
 
Informações à imprensa:
Insight Comunicação – (11) 3284-6147 / 3262-5567 

Gisele Ribeiro – gisele.ribeiro@insightnet.com.br

WHATSAPP RECORRE CONTRA BLOQUEIO NA JUSTIÇA DO RIO

g1:


19/07/2016 17h10 - Atualizado em 19/07/2016 17h16

Whatsapp entra com recurso na Justiça do RJ contra bloqueio

Segundo a assessoria do TJ, a decisão pode sair ainda nesta terça-feira.
Bloqueio foi decidido após empresa se recusar a ceder informações.

Do G1 Rio
Advogados do  WhatsApp entraram com um mandado de segurança na 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), na tarde desta terça-feira (19), para suspender o bloqueio do aplicativo, iniciado por volta das 14h. Segundo a assessoria de imprensa do TJ, a decisão sobre o recurso pode sair ainda nesta terça.
Uma decisão da juíza Daniela Barbosa determinou o bloqueio do aplicativo de mensagens em todo o Brasil; veja reportagem da GloboNews no vídeo acima.
Uma notificação foi enviada para as empresas de telefonia após o Facebook se recusar a cumprir uma decisão judicial e fornecer informações para uma investigação policial.
A decisão tomada pela juíza Daniela Barbosa mandou as operadoras suspenderem o acesso imediatamente. Segundo a GloboNews, as provedoras de conexão foram notificadas da decisão por volta das 11h30.
O Facebook informou que não vai se manifestar. Já o WhatsApp informou que já está recorrendo da suspensão e espera que o "bloqueio suspenso assim que possível".
"Nos últimos meses, pessoas de todo o Brasil rejeitaram bloqueios judiciais de serviços como o WhatsApp. Passos indiscriminados como estes ameaçam a capacidade das pessoas para se comunicar, para administrar seus negócios e viver suas vidas. Como já dissemos no passado, não podemos compartilhar informações às quais não temos acesso. Esperamos ver este bloqueio suspenso assim que possível”, afirmou a empresa.
Esta é a quarta vez que um tribunal decide pela suspensão do acesso ao aplicativo no Brasil.Diferentemente das outras decisões, não há um prazo definido para o retorno do serviço assim que ele for bloqueado.
'Impossibilidades técnicas'
Segundo Barbosa, o Facebook, empresa proprietária do WhatsApp, foi notificado três vezes para interceptar mensagens que seriam usadas em uma investigação policial em Caxias, na Baixada Fluminense. A juíza acrescentou que a empresa respondeu através de e-mail, com perguntas em inglês, "como se esta fosse a língua oficial deste país" e tratou o Brasil "como uma republiqueta". O Whatsapp diz não cumprir a decisão "por impossibilidades técnicas".
Segundo a decisão, o que se pede é "a desabilitação da chave de criptografia, com a interceptação do fluxo de dados, com o desvio em tempo real em uma das formas sugeridas pelo MP, além do encaminhamento das mensagens já recebidas pelo usuário (...) antes de implementada a criptografia."
O bloqueio anterior do Whatsapp foi em maio de 2016. Outro bloqueio aconteceu em dezembro de 2015, quando a Justiça de São Paulo ordenou que as empresas impedissem a conexão por 48 horas em represália ao WhatsApp ter se recusado a colaborar com uma investigação criminal.O aplicativo ficou inacessível por 12 horas e voltou a funcionar por decisão do Tribunal de Justiça de SP.
Ícone do Whatsapp, um dos aplicativos de conversa mais populares do mundo, é visto na tela de um smartphone (Foto: Fábio Tito/G1)Ícone do Whatsapp, um dos aplicativos de conversa mais populares do mundo, é visto na tela de um smartphone (Foto: Fábio Tito/G1)
Bloqueio em maio
A investigação que culminou no bloqueio em maio foi iniciada após uma apreensão de drogas na cidade de Lagarto, a 75 km de Aracaju. O juiz Marcel Montalvão pediu em novembro de 2015 que o Facebook informasse o nome dos usuários de uma conta no WhatsApp em que informações sobre drogas eram trocadas. As informações desse processo corriam em segredo de Justiça.
Segundo o delegado Aldo Amorim, membro da Diretoria de Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal em Brasília, a investigação foi iniciada em 2015 e esbarrou na necessidade informações relacionadas às trocas de mensagens via WhatsApp, que foram solicitadas ao Facebook. A empresa não cumpriu a decisão.