sábado, fevereiro 28, 2015

SULEDIL BERNARDINO MANDA NOTICIAS

(Por e-mail)

Região perde mais de R$ 147 milhões de royalties em dois meses‏

sábado, 28 de fevereiro de 2015   –     Foto: Campos 24 horas
Foto aérea Campos setembro de 2014
Suledil 4

Postado por: Fabiano Venancio
O repasse dos royalties esta semana, referente ao mês de fevereiro, trouxe a constatação de uma triste realidade para os municípios produtores de petróleo, que tem como principal receita os royalties:  As perdas para os municípios da região, nos dois primeiros meses do ano, chegam a R$ 147.068.044, sendo R$ 110 milhões só de Campos.
No ano passado, com a queda do preço do barril do petróleo que, até junho, valia U$ 115 e chegou a menos de U$ 50 em dezembro, já havia uma perspectiva de que a situação iria ficar difícil. “Já anunciávamos a crise e, agora, está refletindo nos repasses de indenização dos royalties do petróleo para municípios e estados produtores bem como das participações especiais derivadas de ser o petróleo o único produto no Brasil cujo ICMS não é cobrado na origem, mas no destino onde estão instaladas as diversas refinarias da Petrobras”.
– Os estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo, juntamente com os municípios da região da Bacia de Campos, de onde se extraem mais de 80% do petróleo do Brasil, estão sofrendo com a trágica queda do preço do petróleo. O município de Campos sozinho perdeu, em apenas dois meses, R$ 110 milhões enquanto os demais municípios perderam R$ 37 milhões, como por exemplo, São João da Barra, Quissamã, Carapebus, Macaé, Cabo Frio e outros – informa o secretário de Controle Orçamentário e Auditoria, Suledil Bernardino.
Segundo Suledil, fica claro que o impacto desta perda não vai afetar apenas as prefeituras, que estão sendo obrigadas a tomar medidas de contenção de despesas com relação à contratação de pessoal, investimentos e prestação de serviços à população. “Esse contrachoque do preço do petróleo é a primeira vez que ocorre, nas últimas quatro décadas, porque, na história do mercado do produto, ocorreram dois choques de aumento de preços: um em 1974, quando ocorreu o boicote liderado pela Arábia Saudita de fornecimento de petróleo aos países do petróleo, fazendo com que preço o barril saltasse de U$ 3 para U$ 12 e, em 1979, quando houve a guerra entre o Irá e Iraque e o barril ultrapassou a casa de U$ 30 dólares, chegando a 2008 a ser vendido a U$ 147”.
Medidas 
Em função do cenário econômico nacional que, desde o ano passado, já apontava para uma recessão este ano, afetando as finanças do setor público em todas as esferas, foram necessárias medidas administrativas. Em Campos, a prefeita Rosinha Garotinho começou a tomar medidas de contenção de custos no final de outubro e no decorrer do mês de novembro, sendo o primeiro município a antecipar medidas de contenção de gastos, tão logo tomou conhecimento da redução do valor da Declan da Petrobras, sobre o ano base de 2013, como a queda violenta da cotação do barril de petróleo no mercado internacional.
Entre as medidas, também, estão redução de 10% os salários de secretários e cargos comissionados; instituindo novos critérios para o Programa Cheque Cidadão Municipal com beneficiários com renda per capita de até 30% do salário mínimo, além da reformulação do Rio Card para os servidores municipais. O município de Campos conta com o Programa Campos Cidadão, que oferece passagem social a R$ 1 para toda população.
Um decreto também determinou o contingenciamento de 40% dos valores das despesas previstas na Lei Orçamentária anual para o exercício de 2015. A crise também reduziu receitas como a arrecadação de ICMS, Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) e Fundo de Participação dos Municípios (FPM). No decreto, a prefeita destacou que em janeiro último, as transferências do Governo do Estado e do Governo Federal ficaram abaixo do previsto no orçamento aprovado pela Câmara dos Vereadores.  Mais recentemente, novos decretos passaram pela Câmara reduzindo o número de secretarias e, também, de cargos comissionados.

O PAÍS DAS MULAS MANCAS

Coloque ignorantes e loucos no cargo de presidente da república e todos enlouquecerão. Os mais altos cargos da nação serão ocupados por loucos, ladrões e outros irresponsáveis. Logo, logo, o país será habitado mulas-mancas-sem-cabeça.

Veja um exemplo aqui:

VENTO QUEBRA ÁRVORE NO CENTRO

Esse vento é um terror. O meliante acaba de quebrar o galho de uma árvore, no canteiro central da avenida Rui Barbosa, no centro da cidade. Na queda, um carro foi atingido, mas sem maiores consequências. A Guarda Municipal já está no local.


IMORAL, AÉTICO, FILHADAPUTAGEM E ESCROTIDÃO


Um "reajuste com base na inflação" aprovado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB) vai custar R$150 milhões aos cofres públicos. Recursos que poderiam ir pra saúde e educação, vão engordar ainda mais o orçamento dos gabinetes -- mas o reajuste ainda não entrou em vigor. Assine e compartilhe antes que isto aconteça:

ASSINE A PETIÇÃO











Caros amigos,

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), acabou de fazer um reajuste na cota de gastos dos gabinetes, aumentando seu orçamento e autorizando o pagamento de passagens aéreas para as esposas e esposos de parlamentares -- isso vai custar R$150 milhões aos cofres públicos!!!

A compra de passagens aéreas para parentes já havia sido proibida, mas Cunha quer mudar as regras novamente -- isto é, no mínimo, um abuso. Os salários dos deputados já são altos o suficiente para que eles possam pagar por casa, viagens e manter uma vida de luxo que muitos brasileiros não têm.

Se agirmos rápido e fizermos barulho contra esta medida, podemos envergonhar os deputados e fazê-los reverter a decisão, garantindo que nosso dinheiro vá para hospitais ou escolas. Alguns deputados já se pronunciaram contra o aumento -- isso significa que podemos vencer!

Assine a petição e passe adiante -- ao juntar meio milhão de assinaturas, a Avaaz colocará painéis de destaque com os nomes dos deputados que aceitaram o aumento da verba:

https://secure.avaaz.org/po/petition/Ao_Congresso_Nacional_Fim_das_regalias_para_as_esposas_de_deputados/?bgspEdb&v=54471

É absurdo, em pleno ano de 2015, que os deputados continuem a legislar em benefício próprio. Esse aumento acontece ao mesmo tempo em que o próprio Congresso quer votar mudanças nas leis trabalhistas e cortes de benefícios para o trabalhador.

O aumento total da verba de gabinetes deve ter um impacto anual de R$ 150 milhões, recurso que poderia ser investido em educação, saúde e combate à corrupção. Mas, ao invés disso, vai pagar ainda mais regalias aos barões do Congresso.

Eduardo Cunha diz que não vai haver impacto real e que o aumento da verba dos parlamentares virá de cortes no orçamento geral da Câmara, como na área de informática e contratos externos. Nem todos os deputados ficaram felizes, e dizem que os valores atuais são mais que suficientes para o cumprimento do mandato. O reajuste entra em vigor já no mês de abril -- ainda dá tempo de nos mobilizarmos e reverter a situação -- assine e repasse para todos:

https://secure.avaaz.org/po/petition/Ao_Congresso_Nacional_Fim_das_regalias_para_as_esposas_de_deputados/?bgspEdb&v=54471
Nossos deputados parecem verdadeiros barões, legislando para si mesmos, aumentando seus próprios salários e beneficiando uma elite política que está fazendo mal para o Brasil. Em tempos de austeridade, precisamos economizar, não pagar regalias para deputados e seus cônjuges. No passado já conseguimos barrar o aumento de seus salários e vencer muitas lutas em Brasília. Vamos vencer novamente desta vez.

Com esperança e determinação,

Diego, Joseph, Carol, Oliver, e toda a equipe da Avaaz 

CRECHE DA PREFEITURA SERVE ÁGUA DE TORNEIRA À CRIANÇAS

JORNAL TERCEIRA VIA:

Crianças bebem água da torneira em creche municipal de Santa Rosa

A unidade está com diversos outros problemas estruturais; confira a matéria:

São muitos os problemas enfrentados pelos professores e alunos da Creche Escola Zumbi dos Palmares, no bairro Santa Rosa, em Guarus. As crianças, de seis meses a cinco anos, são obrigadas a beber água da torneira, porque o bebedouro de uso coletivo não funciona há cinco anos. Os banheiros também estão em estado de calamidade: dos cinco da unidade, quatro estão interditados. Além disso, os ventiladores não funcionam e a quantidade de material didático e de limpeza distribuída pela Secretaria de Educação, Cultura e Esporte (Smece) não seria suficiente para atender às necessidades. Restam aos professores duas alternativas: ou fazem “vaquinha” para comprar o que falta, ou ficam à mercê da boa vontade do Governo Municipal.

Uma professora da unidade, que preferiu não se identificar por medo de represálias, detalhou à reportagem do jornal Terceira Via o calvário vivido pelos funcionários e crianças diariamente. De acordo com a professora, há cinco anos a cena se repete: todos os dias, logo após a refeição, os pequenos fazem fila para beber água da torneira. O bebedouro que existia na unidade apresentou defeito em 2010 e até hoje não foi consertado ou substituído. Existem três filtros de barro na creche, que são colocados em algumas salas de aula, mas não atendem as cerca de 300 crianças matriculadas.

“Um quarto filtro foi comprado por uma das professoras para amenizar a situação, mas essa não é solução para o problema. Nós também não podemos deixar que as crianças entrem na sala das outras para beber água sempre que sentem sede, porque gera tumulto. O ideal seria que trocassem o bebedouro, que fica na área externa, mas ninguém dá ouvidos aos nossos pedidos”, declarou a professora.

Banheiros e ventiladores
A Creche Zumbi dos Palmares tem cinco banheiros: um para meninos; outro para meninas; um para as professoras; outro na cozinha; e o último no Berçário. O banheiro dos meninos está interditado desde 2009. Hoje, o espaço funciona como depósito de cadeiras e mesas quebradas. O das meninas está com os chuveiros queimados. O banheiro das professoras e o da cozinha estão com problemas na descarga. Já o do Berçário funciona bem, mas recentemente um dos chuveiros queimou e as professoras fizeram “vaquinha” para comprar um novo.

“Não poderíamos deixar o banheiro do berçário sem chuveiro, porque as crianças, de seis meses a um ano, ainda usam fralda e precisam tomar banho com frequência. Sabíamos que, se não tomássemos uma atitude, outro banheiro seria inutilizado”, contou.

Os ventiladores também são um problema à parte. Existem três ventiladores em cada sala, mas geralmente apenas um funciona. “Na minha sala, por exemplo, só funciona o ventilador de parede que foi colocado no ano passado. Os três de teto estão quebrados. Com esse calor que está fazendo, imagine a nossa situação... Pior ainda é para as crianças”, disse.

Faltam materiais didáticos e de limpeza
Para este ano letivo, a Smece encaminhou para a Creche Escola Zumbi dos Palmares apenas quatro caixas de massinha de modelar; dois pacotes de hidrocor; duas caixas de lápis de cor; um rolo de fita dupla face; um rolo de fita durex; 38 lápis; sete borrachas; seis apontadores; um tubo de cola bastão; uma caneta para quadro branco; e dois pacotes de folha A4.

Esse material deve ser dividido entre as turmas da manhã e da tarde durante todo o semestre. “Eles estão pedindo para que a gente faça um milagre. Trabalhamos com crianças pequenas, passamos muitas atividades nas folhinhas... Além disso, a maioria das crianças são da comunidade e não têm dinheiro para comprar o material individual. Vai ser impossível fazer esse material render até julho”, disse a professora.

“Antes nós usávamos um mimiógrafo antigo para imprimir as folhinhas, mas nós, professores, que comprávamos o álcool. Recentemente conseguimos comprar uma impressora com a verba do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), que vem do Governo Federal, mas nunca tem tinta no toner. Quando dá, nós fazemos vaquinha para comprar”, denuncia.

De acordo com a professora, também faltam materiais de limpeza. “Muitas vezes eu e as colegas compramos sabote, shampoo, condicionador, papel higiênico e fralda para as crianças. Vocês não imaginam como está a nossa situação...”.

Faltam de Auxiliares de Creche
As auxiliares de creche concursada ainda não começaram a trabalhar e, por isso, as crianças estão sendo liberadas às 11h. “As professoras não têm condições de cuidar sozinhas de todas as crianças. Até porque, elas são pequenas e muito dependentes. Na minha sala, por exemplo, tem 24 crianças de um ano a dois. Somos duas professoras para tomar conta, mas não é o suficiente. Precisamos alimentar, trocar fralda, dar banho, passar as atividades... É complicado”, contou.

Resposta da Secretaria de Educação
Por meio de nota, a Smece respondeu que “os novos auxiliares de creche aprovados no concurso da Prefeitura de Campos ainda estão assumindo as unidades da rede municipal de ensino, já que a escolha aconteceu até quarta-feira (25)”. A secretaria informou ainda que “alguns candidatos estão resolvendo pendências com documentação e só devem assumir as unidades nos próximos dias”.

Quanto aos problemas relacionados à infraestrutura, a Gerência de Infraestrutura da Smece informou que “já solicitou as devidas providências à empresa responsável pela manutenção nas escolas e creches da rede”. Segundo a Gerência, “os profissionais devem iniciar os reparos na quinta-feira (26) dentro da unidade”.

Sobre o material didático, a Smece disse que “já foi entregue pela Gerência de Suprimentos” e “solicitou providências da empresa terceirizada responsável pela limpeza, responsável pelo controle dos materiais”. 

PROFESSORA MUNICIPAL DENUNCIA

(por in box)

Nos funcionários creches e escolas estatutarios praticamente nao começamos o ano letivo, isto porque os auxiliares de tuma foram chamados, mas é insuficiente. e tbm eles estao, nos parece,  deixando lugares para seus afilhados serem depois colocados. !!! Pois falta tomar posse. só na minha, faltam 5,, só chegaaram 2. e avisaram para as mesmas que estavam completa. mentira .

nós nao pegaremos criança s sem as mesmas, mas estamos sendo pressionadas por junior Rh, isso porque seu frede, atual secretário nao quer meter a cara. precisa dar de bom moço. !!!
entao segunda-feira proxima vamos,  2 Março, nos reunir e nao aceitar essa humilhação abuso e ... nao poderemos receber pois so estao chegando a metade para trabalhar.!!! E o restante  dos professores assim como eu nao vamos pegar criança s poi nao e nossa função. !!

Mas a smece está ameacando cortar nossa regência. !!! O que e proibido .!! Seu garotinho fez uma reuniao ontem con supervisores e governo .!! E tbm camara como  de conhecimento de todos.!!

1) REDUZIRA TAMBEM EM 50 % O SALARIO DAS DIRETORAS DE escolas E CRECHES SALARIO INDO PARA 600 REAIS isso e para as mesmas desistirem.!!! Mas so valera para quem é professor / diretor da rede.aqueles que tem matrícula.  Ja os que sao colocados por seus padrinhos nao.!!

2) foi colocado na pauta para tirar nosso vale alimentação de 200 reais mas auxiliadora deu piti isso porque esse foi projeto dela e ficaria mal conosco da  classe,  entao  ira mexer no nosso plano de cargos em 20% que DIGA SE, ESTAMOS BRIGANDo PoR ELE .

3 )  estao sem vale transporte  nao veio un secretário jogando pra outro.!!!

4 )sem citar que fizeram um concurso sem observância nos critérios de HOMEM FAZER PARA AUXILIAR DE CRECHE pois tem que dar banho nas crianças e mães nao estao aceitando.!!!

5) o sindicato sergio Almeida esteve com garoto com uma equipe garotinho chamou para DAR UMA BRONCA' ' E evitar a paralizacao dia 23 .!!

sexta-feira, fevereiro 27, 2015

EMPRESA PRIVADA OCUPA E DEGRADA ÁREA DO HORTO MUNICIPAL

Os moradores do bairro do Horto desejam levar ao conhecimento da comunidade campista o que está acontecendo em um dos seus mais preciosos bens, o Horto Municipal. Solicitamos a imprensa e aos cidadãos conscientes que divulguem ao máximo a situação surpreendente e revoltante que está ocorrendo escondida da opinião pública.

A Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes, através da Secretaria de Meio Ambiente, cedeu à empresa EMEC Service, para uso como base operacional em Campos, uma área superior a 6.000 metros quadrados situada no interior do Horto, na parte dos fundos, tendo a referida empresa construído no local um grande galpão para abrigar seus escritórios, demais acomodações e necessidades. A EMEC atualmente presta serviços a Prefeitura de Campos, no cuidado de praças e jardins. Já o Horto Municipal possui seus próprios funcionários efetivos.

Esta cessão levanta imediatamente a questão da legalidade de uma empresa privada utilizar um bem público sem que haja um real benefício para a comunidade. Só este aspecto já bastaria para gerar uma séria discussão na Câmara Municipal, mas a controvérsia não acaba aí, como descrito a seguir.

A empresa também transferiu para o mesmo terreno cerca de dezenove veículos de grande porte, incluindo caminhões-pipa e de transporte de terra, ônibus, além de ruidosas retro-escavadeiras. Para executar as tarefas diárias fora do Horto, a frota de veículos pesados precisa percorrer um caminho de centenas de metros ao longo de toda a extensão do Horto Municipal, passando ao lado de residências vizinhas e de um playground situado na parte da frente do Horto, expondo crianças ao risco de atropelamento e à enorme poeira levantada. A empresa EMEC, já tendo conhecimento das críticas que vínhamos fazendo sobre o risco de morte a que as crianças estavam submetidas, acabou de construir uma cerca de proteção, neste final de março. Mas continua a exposição à poeira e à poluição dos veículos.

Os moradores das residências próximas também vêm sofrendo com o excesso de poeira no ar e com a poluição gerada pela combustão de óleo diesel. São diversos os relatos de problemas de saúde, principalmente de ordem respiratória e oftalmológica. Será que a solução da empresa vai ser asfaltar boa parte do Horto? As queixas também se referem ao ruído dos veículos e ao surgimento de rachaduras nas casas, com a movimentação de veículos de grande porte.

A área atualmente ocupada pela EMEC é mencionada em uma página divulgação oficial da Prefeitura, em 23 de maio de 2011 (ver anexo), como sendo um local (dentro do Horto) onde os visitantes poderiam ter contato com canteiros de hortaliças, leguminosas e plantas medicinais. Na verdade, estes canteiros passaram por processo de deterioração nos últimos anos.

A comunidade tinha a expectativa da implementação de um projeto de recuperação da flora naquela parte do terreno do Horto, para usufruto pela população, fosse para lazer, projetos educacionais, ou como parte de uma reserva ecológica. Ao invés disto, o que se viu nos últimos anos, foi a contínua degradação da área, inclusive com a aplicação de herbicidas em larga escala, culminando agora com a devastação da maior parte da flora para possibilitar a construção do enorme galpão da empresa e a transformação de grande parte do referido espaço em uma garagem de veículos pesados.

São incluídas fotos que mostram os danos causados ao Horto com a vinda da empresa EMEC. Dentre estas, algumas indicam que a empresa estaria despejando dejetos in natura provenientes dos banheiros químicos e dos banheiros do galpão. Neste caso, será inevitável a contaminação do lençol freático.Os moradores estão revoltados e procurando todas as formas de denunciar  este descalabro, e, desde já, se colocam à disposição da imprensa para uma reunião, inclusive como forma de facilitar a visualização da região afetada, já que a esta parte do Horto só é permitido o acesso com autorização da EMEC. O espaço público antes acessível à comunidade foi efetivamente “privatizado”.

Veja algumas imagens:


EM CAMPOS, ELIMINADOR DE AR NO ENCANAMENTO D'ÁGUA É LEI

O Jornal Nacional, da TV Globo, em sua edição da última quinta feira, 26, trouxe matéria sobre a utilização de mecanismo que elimina o ar na tubulação da água, no Espírito Santo, o que reduz a tarifa, em alguns casos, à metade do valor.

Em Campos, há lei municipal de 2004,  sancionada pelo então prefeito, Arnaldo Vianna, que regulamenta essa questão. Veja imagem:

O Blog  recebeu cópia da lei, do ex-deputado, Paulo Cesar Martins, que pretende mobilizar a população para garantir a medida e exigir ressarcimento.

Maiores informações maiis tarde.

PARA PREFEITURA, "QUEDA DE SEMÁFOROS É TERRORISMO"

Sucupira perde longe. A declaração do presidente do IMTT atribuindo à atos de sabotagem e terrorismo a queda desavergonhada dos semáforos, em Campos, seria patética se não fosse  ridícula.

Considerando que sua senhoria vai pedir investigação da Polícia, é importante lembrar que a mesma autoridade já havia dito que a culpa  era do vento. Então, podemos, a  qualquer momento, ouvir a frase famosa dita ao vento campista: "teje preso!".

Pensando bem, esse vento nordeste nunca me enganou. Deve ter lá seu conluio com o Estado Islâmico.

O DIARIO:

Problemas nos semáforos podem ser sabotagem

Publicado em 27/02/2015


Arquivo / O Diário
Clique na foto para ampliá-la
Segundo Álvaro Oliveira, o que está acontecendo são "sabotagens"
A Prefeitura de Campos, através do Instituto Municipal de Trânsito e Transporte (IMTT), vai apurar melhor o fato ocorrido em uma base do semáforo no cruzamento da Avenida Arthur Bernardes com Gastão Viana Sampaio, que caiu no último dia 18. A empresa responsável pela instalação do equipamento de trânsito apresentou laudo, onde aponta necessidade de averiguar as causas da queda, porque há indícios de que pode ter havido sabotagem.

De acordo com o laudo, foram detectadas "adulterações" na superfície da base de fixação, ocasionando enfraquecimento e comprometimento de todo o conjunto estrutural original, feitos pela empresa. Ainda no laudo, a empresa informou que a estrutura não apresentava as mesmas condições que a do momento de entrega dos serviços, sugerindo que tenha sido adulterado. A empresa registra nesta sexta-feira (27) a ocorrência na 134ª Delegacia Legal, no Centro.

Segundo o presidente do IMTT, Álvaro Oliveira, esta empresa é uma das poucas do país que desenvolve este trabalho e, no momento, está sentindo-se prejudicada pela repercussão do caso. "É um serviço muito específico e que poucas empresas realizam. Esta, por exemplo, fabrica controladores, porta-focos, material metálico e faz a instalação", disse Álvaro, lembrando que a empresa está há 50 anos no ramo e há 17 desenvolve esta atividade em Campos.

Leia a matéria completa sobre este assunto na edição impressa do Jornal O Diário deste sábado (28).

A ZONA DO TRANSPORTE COLETIVO EM CAMPOS

* * TRANSPORTE NA LOCALIDADE DO RETIRO * *
Moradores do Localidade do Retiro em Campos dos Goytacazes, mais uma vez são discriminados.
A empresa Brasil que faz, Quissamã X Campos e Campos X Quissamã VIA Barra do furado, NÃO ACEITA O CARTÃO CIDADÃO, para redução de passagem. ressaltando que não aceita dentro do próprio município. alegam ser empresa para atendimento intermunicipal, no entanto para a linha em questão sua maior extensão é percorrida por Estrada (Via Rural não pavimentada) e não por Rodovia
Além de não aceitar o cartão cidadão, os valores são abusivos.
A referida empresa não reconhece a LOCALIDADE RETIRO, logo o valor cobrado para moradores do Retiro Município de Campos é o mesmo de Barra do furado Município de Quissamã.
Ou seja ao adentrar ao ônibus, paga-se
Campos X São Martinho (Vice versa) R$ 5,50
Campos X Retiro (Vice versa) R$ 7,50
Campos X Barra do Furado (Vice versa) R$ 7,50
Porque não cobrar o mesmo valor de São Martinho ???? São localidades próximas, dentro de um mesmo DISTRITO / MUNICÍPIO.
Outro questionamento é quanto o cumprimento da LEI DO ESTATUTO DO IDOSO, pois não é assegurado a gratuidade ao idoso de forma correta.
‪#‎desabafo‬# Luciane Barreto 27/02/2015