quinta-feira, fevereiro 23, 2017

PREFEITO DE SÃO FIDÉLIS DECRETA INTERVENÇÃO NO HOSPITAL ARMANDO VIDAL




O prefeito de São Fidélis, Amarildo, decretou intervenção na Associação Hospitalar Armando Vidal, nesta quinta feira, 23, e, dessa forma, passa a assumir o controle integral da unidade hospitalar. “Agora, vamos fazer saúde de qualidade para a sociedade fidelense”, disse, brevemente, o prefeito. O secretário de governo, Davi Loureiro comandou a entrevista coletiva em que a intervenção foi anunciada.

A Associação Hospitalar Armando Vidal reclama da ação do governo municipal e acusa a prefeitura de não estabelecer um diálogo franco e ético com a instituição. Desde hoje, responde pelo Hospital, o gestor, Osório, nomeado pelo prefeito, que prometeu saldar as dívidas trabalhistas, já na sexta feira, 24, conforme informou o secretário de governo, Davi Loureiro.


Outras informações oportunamente.

OPINIÃO


Onde esconderam a civilidade? a delicadeza? O respeito ao contraditório? A cidade, parece, que foi engolfada pela violência verbal, que é a antessala da violência física. E, às vezes, é muito mais virulenta. Digo isso em relação à todos, inclusive, a mim. Também já revidei ofensas.

Dia desses, o vereador Roberto Pinto, denunciou, na tribuna da Câmara, que ele e sua família vêm sendo ameaçados de morte. Eu não sei os motivos que levaram o potencial agressor a fazer esta ameaça. O vereador não as tornou públicas, mas podem ter uma linha direta com um modelo de política beligerante que resiste e promete levantar-se das caldeiras de enxofre, para onde foi degredada.

Qualquer assunto nas redes sociais descamba para a pancadaria discursiva. E parece que a sociedade está fadada a escolher entre, apenas, dois lados. Se você faz uma crítica a um, pressupõem-se que você é partidário do outro. Tenha a santa paciência! Como diria minha mãe.

Eu quero discutir, debater, mas não quero transformar este confronto de opiniões em pugilato, briga de rua. Ao invés de trocar interpretações e posições sobre determinados assuntos, os envolvidos se transformam em gladiadores e partem para golpear o contendor, desqualificando-o, sem qualquer consideração.

Não é a ideia quem está em debate, é o seu mensageiro.


Até quando? Precisamos avançar no nosso amadurecimento político. A impressão que fica, pelo o que está posto aí, é que vivemos na idade da pedra. Da pedrada.

PF SAIU PARA CAÇAR NA OPERAÇÃO BLACKOUT

A Polícia Federal saiu para caçar hoje, 23, de novo. Desta vez é a Operação Blackout, que mira nos operadores que intermediaram pagamentos de propinas a altas autoridades do país. Jorge e Bruno Luz, pai e filho, estão com mandados de prisão expedidos e numa primeira avaliação dos agentes da PF e do MPF já ficou visível que foram pagos 40 milhões a senadores, principalmente e deputados federais.

Leia matéria completa (aqui)

OPERAÇÃO CHEQUINHO: TRE NEGA HABEAS CORPUS

O Blog Dizem por aí traz postagem sobre a possibilidade de alguns envolvidos na denúncia da Operação Chequinho, feita pelo MP de Campos, de voltarem a serem presos.

Segundo o Blog, eles já foram avisados por um advogado que os defende.

Veja o print da mensagem:




Leia matéria completa (aqui)

JUSTIÇA AINDA PODE PEDIR PRISÕES DA OPERAÇÃO CHEQUINHO

Jornal Terceira Via


Chequinho: Justiça pedir nova prisão de quatro suspeitos

Ana Alice Ribeiro, Ozeias e Miguelito já foram presos pela Polícia Federal; Alcimar Ferreira Custódio ficou foragido até receber habeas corpus

CAMPOS 
POR MARCOS CURVELLO
 
23 DE FEVEREIRO DE 2017 - 9h10
(Foto: Silvana Rust)
(Foto: Silvana Rust)

A ex-secretária de Desenvolvimento Humano e Social de Campos, Ana Alice Ribeiro, os vereadores cassados Ozeias e Miguelito, e o ex-subsecretário de Governo de Campos, Alcimar Ferreira Custódio, braço direito de Garotinho na pasta durante o governo Rosinha, podem ter novos pedidos de prisão expedidos pela Justiça, segundo informação a que o Jornal Terceira Via teve acesso com exclusividade.
O juiz Ralph Manhães, da 100ª Zona Eleitoral (ZE), foi comunicado do entendimento do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), que foi sustentado pelo juiz Marco José Mattos Couto durante julgamento de Habeas Corpus pendentes, e decidirá se expedirá os mandados.
Ana Alice, Ozeias, Miguelito e Alcimar são suspeitos de participação no esquema que, segundo a Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Eleitoral (MPE), trocava inscrições no programa social da Prefeitura Cheque Cidadão por votos em candidatos da coligação “Frente Popular Progressista de Campos” à Câmara e à Prefeitura nas eleições municipais de outubro de 2016.

quarta-feira, fevereiro 22, 2017

MARCELO ODEBRECHT VAI DEPOR NO PROCESSO QUE PEDE CASSAÇÃO DA CHAPA DILMA-TEMER

O ministro Herman Benjamin, corregedor do Tribunal Superior Eleitoral, quer ouvir Marcelo Odebrecht, no processo que investiga as denúncias contra a chapa Dilma-Temer. Ele acredita que o empresário, protagonista nas investigações da Operação Lava Jato pode esclarecer muitas situações suspeitas, principalmente, a formação de caixa 2.

Leia matéria aqui no G1

VEREADOR DE CAMPOS AMEAÇADO DE MORTE

Jornal Terceira Via



Vereador Roberto Pinto denuncia durante sessão que sofre perseguição de PM

Vereador usou a tribuna para reclamar que ele e sua família têm sofrido ameaças e chegou a chorar

CAMPOS 
POR REDAÇÃO
 
21 DE FEVEREIRO DE 2017 - 19h39
camara-2
Roberto Pinto ficou emocionado ao denunciar as ameaças (Foto: JTV)
O vereador Roberto Pinto (PTC) usou a tribuna durante a sessão da Câmara Municipal de Campos, na noite desta terça-feira (21), para denunciar que tem sofrido perseguição e ameaças vindas de um policial militar. O parlamentar, que chegou a chorar durante seu pronunciamento, disse que sua família está com receio de sair às ruas, inclusive, netos com medo de ir à escola.
Ainda segundo Roberto Pinto, o policial militar anda armado e isso o tem intimidado. “Minha esposa está em ponto de ter um infarto por causa dessa situação. Ele anda armado, com a arma exposta e disse que só vai parar depois que acabar com a minha raça. Peço aos colegas vereadores ajuda para resolver isso”, disse o vereador, que não deu mais detalhes sobre os motivos das ameaças.
Após o pronunciamento de Roberto Pinto, o presidente da Câmara, Marcão (Rede), classificou a situação como grave e afirmou que o Legislativo tomará providências. “Peço que vossa excelência se encaminhe às autoridades competentes e faça o registro de ocorrência, pois é uma situação grave. Não podemos admitir que um vereador eleito sofra esse tipo de ameaça”, completou.
Por sugestão do vereador Abdu Neme (PR), Roberto Pinto será acompanhado dos advogados da Câmara até uma das delegacias para registrar as ameaças.

UNIÃO BLOQUEIA 220 MILHÕES DO RIO DE JANEIRO

O Governo federal bloqueou, nesta quarta feira, 22, 220 milhões dos cofres do Governo estadual do Rio de janeiro, com isso fica prejudicada a programação de pagamento dos servidores, que, hoje, receberam a primeira das 6 parcelas do pagamento de janeiro.

Leia matéria completa (aqui)

terça-feira, fevereiro 21, 2017

DESFILE DE CARNAVAL EM SJB SERÁ PAGO

Jornal Terceira Via


Público terá que pagar ingresso para assistir aos desfiles do Carnaval de SJB

Projeto de lei foi aprovado pela Câmara de Vereadores nesta terça e inclui cobrança de estacionamento

REGIÃO 
POR REDAÇÃO
 
21 DE FEVEREIRO DE 2017 - 16h56
carnaval-em-sao-joao-da-barra-silvana-rust-25
Espectadores pagarão ingresso para as arquibancadas na avenida do samba (Foto: arquivo/Silvana Rust)
A Câmara de Vereadores de São João da Barra aprovou, na manhã desta terça-feira (21), três projetos de lei enviados pelo Executivo que tratam do Carnaval local. Em um deles, nº 008, a Prefeitura foi autorizada a cobrar ingresso para que as pessoas tenham acesso às arquibancadas dos desfiles. O preço será de R$ 15,00 por dia ou R$ 50 pelos cinco dias. Segundo o projeto, a receita será aplicada na aquisição de bens ou serviços para as secretarias de Saúde e Educação. Votaram contra o projeto os vereadores Franquis e Eziel Pedro da Silva.
Ainda segundo o texto do projeto nº 008, será cobrado estacionamento em vias públicas. O valor será de R$ 5,00 para motos e R$ 10,00 para carros. O recurso arrecadado será aplicado na operacionalização, manutenção e ampliação da frota de veículos das secretarias de Saúde e Educação.
O mesmo projeto autoriza o Executivo a promover a captação de patrocínios junto a empresas privadas para a realização do carnaval, mediante permuta em prestação de serviços e disponibilização de instalações necessárias à infraestrutura do evento – sem ônus para os cofres públicos. Como contrapartida aos patrocinadores, fica o Executivo autorizado a promover a publicidade de marcas e produtos em pórticos, treliças, arquibancadas, guarda-corpos, postes e equipamentos públicos, a serem instalados nas áreas de entorno à realização da festa tanto na sede como nos distritos.
Já os projetos 006 e 007 dizem respeito à concessão de subvenção social às agremiações mais antigas do município, “O Chinês” e “Congos”, no valor de R$ 234 mil para cada uma. O objetivo é manter a tradição quase centenária do carnaval em São João da Barra e fomentar o turismo. As duas matérias foram aprovadas por sete votos, com voto contrário apenas do vereador Franquis Arêas.

MPF DENUNCIA CABRAL POR MAIS 148 CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO






O Ministério Público Federal (MPF) denunciou o ex-governador Sérgio Cabral, seu ex-assessor Ary Filho, e Carlos Miranda, um de seus operadores financeiros por lavagem de dinheiro. De acordo com os procuradores, Cabral praticou o crime em 148 oportunidades. Anteriormente, o ex-governador havia sido denunciado por 184 atos de lavagem. Se a denúncia desta terça-feira (21) for aceita, serão 332 crimes, apenas de lavagem de dinheiro em duas denúncias, praticados pelo ex-governador.
O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, analisa a denúncia. Se o magistrado aceitar o parecer dos procuradores, o ex-governador se tornará réu pela quinta vez. São quatro processos na Justiça Federal, do Rio, e um na 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, com o juiz Sérgio Moro.
O ex-governador Sérgio Cabral presta depoimento nesta tarde de terça-feira, no Tribunal de Justiça do Rio. Preso no Complexo Penitenciário de Gericinó, na Zona Oeste do Rio, Cabral está sendo denunciado no mesmo dia em que prestou depoimento por teleconferência sobre o uso irregular de helicópteros enquanto foi governador do Rio.
Ary Filho, ex-assessor de Cabral, também foi denunciado por pertencer à quadrilha, que de acordo com o MPF, seria liderada pelo ex-governador. A denúncia desta terça é resultado da Operação Mascate, deflagrada em janeiro.
O que diz a denúncia
A investigação aponta que Sérgio Cabral, Ary Filho e Carlos Miranda usaram três formas distintas de lavagem de dinheiro em 148 oportunidades: transferências bancárias de empresas para a empresa GRALC/LRG Agropecuária, de propriedade de Carlos Miranda. Assim, se justificaria a prestação de serviços inexistentes.
Além disso, o grupo compraria veículos para a organização criminosa através de empresas de um colaborador e a compra de imóveis para a quadrilha.
Procuradores que integram a força-tarefa Lava Jato no Rio explicam que a nova denúncia contra o ex-governador trata dos crimes praticados no Brasil e tem relação com Ary Filho.
“Diante da grandiosidade do esquema criminoso, não esgota todos os crimes de lavagem de dinheiro cometidos no Brasil, nem tampouco todos os fatos praticados pelo grupo, que poderão ser objeto de novas denúncias”, explicam os procuradores da República Leonardo de Freitas, José Augusto Vagos, Eduardo El Hage, Renato Oliveira, Rodrigo Timóteo, Jesse Ambrosio dos Santos Junior, Rafael Barreto, Sérgio Pinel e Lauro Coelho Júnior, que assinam a denúncia.
Os crimes de lavagem de dinheiro cometidos pela quadrilha foram descobertos a partir de colaboração premiada. Nos depoimentos, foram apresentadas provas de transações no valor de R$ 10,17 milhões, ocorridas entre 30 de agosto de 2007 e 28 de setembro de 2015. A conclusão dos procuradores é que os integrantes do grupo pretendiam converter a propina em ativos de aparência lícita.
Bens de luxo
A denúncia mostra que o grupo lavou R$ 3,4 milhões pagos à GRALC/LRG Agropecuária e que foram apresentados como uma consultoria. Os procuradores e a Polícia Federal descobriram ainda que os integrantes do esquema ocultaram a propriedade de um Camaro 2SS conversível, avaliado em R$ 222,5 mil e de uma Grand Cherokee Limited, avaliada em R$ 212,8 mil.
Sete imóveis no valor de R$ 6,3 milhões em diferentes bairros do Rio também estão neste esquema de lavagem da quadrilha, de acordo com o MPF. Ary Filho seria o responsável pela entrega do dinheiro em espécie, que depois era utilizado pelos colaboradores para pagar os serviços de fachada e adquirir os carros e imóveis em nome de suas próprias empresas.
O que dizem os denunciados
Os advogados do ex-governador Sérgio Cabral não irão se pronunciar sobre o assunto.
O advogado Daniel Raizman, que defende Carlos Miranda, disse que o seu cliente "vai esclarecer os fatos no curso do processo".

Já Marco Aurélio Assef, que defende Ary Filho, destacou que o seu cliente é funcionário público concursado e que ele nega participação em organização criminosa sobretudo para prática de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. "Não tomamos conhecimento formal da denúncia ainda", disse Assef.