terça-feira, novembro 21, 2017

SBT DEMITE MOACYR FRANCO

O Dia



Além de Moacyr, outro humorista que deixa a casa é Paulo Pioli, que interpretava o personagem Caipira

Rio - A onda de cortes promovida no artístico do SBT chegou ao humorístico A Praça É Nossa. E Moacyr Franco, que estava no programa havia 12 anos, foi um dos demitidos.
A segunda passagem de Franco pelo SBT durou 20 anos. Ele havia apresentado o A Mulher É um Show, em 1986, e retornou à casa em 1997 para apresentar o Concurso de Paródias (1997). Lá ele atuou nos seriados Ô… Coitado (1997-1999) - com Gorete Milagres - e Meu Cunhado (2004-2006) - com Guilhermina Guinle e Ronald Rios, e assumiu a função de Diretor de Criação da emissora, em 1998. Desde 2005 ele estava em A Praça É Nossa, interpretando o caipira Jeca Gay.
Moacyr FrancoDivulgação
A reportagem tentou contato com o artista, mas o telefone só deu caixa postal. Carlos Alberto de Nóbrega, bastante abalado com a informação, disse que ele não foi o responsável pela saída do artista.

"Somos amigos há 62 anos", frisou. "Quando soube que ele seria cortado, foi um choque. Eu disse à direção da casa que não conseguiria dar a notícia, porque iria começar a chorar na hora. Ele é um dos artistas mais injustiçados no nosso País. Ele é um gênio, tem uma versatilidade como poucos. É um ótimo ator, humorista, escreve muito bem, é um poeta, canta muito bem… Era um absurdo ele ter somente 5 minutos de participação na Praça. Mas a empresa não é minha, e a decisão também não foi minha. Estou muito triste. Ainda não tive coragem de falar com ele."
Além de Moacyr Franco, outro humorista que deixa a casa é Paulo Pioli, que interpretava o personagem Caipira, dono do bordão "Êta fuminho bão". Ele estava no programa havia mais de dez anos, e tem uma reunião marcada na tarde desta terça-feira, 21, para assinar a sua rescisão.
Procurada pela reportagem, a assessoria do SBT diz que não irá se pronunciar sobre as demissões

CÂMARA DE VEREADORES VAI JULGAR CONTAS DE 2016 DO PREFEITO DE ITALVA

(Blog do Luiz Carlos Gomes) )



Chega à Câmara Municipal de Italva, a Prestação de Contas referente ao exercício de 2016 do Ex-Prefeito Leonardo Guimarães, que foi rejeitada pelo Tribunal de Contas do Estado-TCE. Cabe agora aos vereadores examinar, com responsabilidade, os resultados gerados pelo gestor público Leonardo Guimarães. Os vereadores eleitos pelo povo devem agora no desempenho de seu mandato confirmar que a sociedade está sendo bem representada pelo Legislativo.

O Governo Leonardo Guimarães foi contestado pela maioria da sociedade Italvense em toda sua gestão.

Os Vereadores reeleitos Antonio Elias Anselmet, Alcirley Lima, Joel Enfermeiro e Wilson Nogueira que na época era o Presidente da Câmara eram atendidos 100% em todas as reivindicações feitas ao Prefeito Leonardo Guimarães. Fica aqui uma pergunta: Como será o voto destes Vereadores?

Os Vereadores eleitos gestão 2017/2020, Gerlindo Motoka, Binho da água, Jocimar Fio, Zeca do Esporte e Claudinei Melo (Presidente da Câmara), como irão se comportar diante do Parecer do TCE? Irão acompanhar o parecer do TCE que rejeitou as contas ou absolve-lo, dando um tapa na cara da sociedade Italvense.

O que se que se espera de um vereador consciente, no julgamento das contas do governo local, é que ele atue com interesse, zelo e dedicação, sob pena de, por sua omissão, descaso ou negligência, admitir-se, pela via parlamentar, que gestores administrativamente incompetentes exerçam cargos públicos.

Fiquem atentos, para que a conclusão do parecer prévio do Tribunal de Contas do Estado não se confirme, dois terços dos vereadores devem votar contra.

Abaixo o Parecer do Tribunal de Contas do Estado - TCE

TCE recomenda rejeição das contas do ex-prefeito de Italva

O Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) emitiu, no dia 26/10, parecer prévio contrário à aprovação das contas de 2016 da cidade de Italva, sob responsabilidade do ex-prefeito Leonardo de Souza Guimarães. A relatora do processo, conselheira substituta Andrea Siqueira Martins, enumerou três irregularidades que amparam a decisão da corte: déficit financeiro de R$2.881.839,86, apurado em 31 de dezembro de 2016; criação de despesa, nos dois últimos quadrimestres do mandato, sem que haja suficiente disponibilidade de caixa para sua cobertura; e cancelamento, sem justificativa, de restos a pagar processados no valor de R$ 2.982,73, após a liquidação da despesa e a assunção da obrigação de pagar. O parecer prévio segue para a Câmara Municipal local, a quem cabe a decisão final sobre as contas.


Além das irregularidades, Andrea apontou 15 impropriedades, 18 determinações e duas recomendações (voto na íntegra). A conselheira substituta ainda solicitou que a Secretaria-Geral de Controle Externo “avalie a pertinência de realizar Auditoria Governamental no Município de Italva com vistas ao diagnóstico da sua gestão tributária e a proposição de medidas no intuito de proporcionar maior arrecadação de receitas de competência municipal”, já que as mesmas representam apenas 4% da arrecadação municipal.

Fonte: Blog Tempo News

A HISTÓRIA DO SAMBA, HOJE, NO TEATRO DE BOLSO, COM ENTRADA FRANCA

(ascom)

Alunos do Curso Livre de Teatro em cena com a história do samba
Espetáculo “O Samba” será encenado nesta terça e quarta no Procópio Ferreira. A entrada é franca e os ingressos devem ser retirados a partir das 18h30.



O batuque da cultura popular brasileira vai eclodir no Teatro de Bolso Procópio Ferreira com o espetáculo “O Samba”, nesta terça (21) e quarta-feira (22), às 20h. Com entrada gratuita, a apresentação do Módulo II do Curso Livre de Teatro da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima (FCJOL) tem a coordenação de Dedé Muylaert e direção de Markinhos Sá junto a Neusimar da Hora. O enredo traz como motivação a reafirmação de raízes, retratando ícones como Tia Ciata e o campista Wilson Batista. Ingressos estarão disponíveis no teatro nos dias do evento a partir das 18h30.

Na peça, escrita por Markinhos Sá, cerca de 50 alunos de teatro estarão em cena para contar de forma musical a história que começa na África, atravessa o oceano, enfrenta o preconceito e segue até os dias de hoje. Em destaque, a montagem tem a famosa casa da Tia Ciata — lar acolhedor dos sambistas no início do século passado. Marinete Ribeiro, de 76 anos, se preparou alegremente para interpretar a matriarca do samba carioca.

 — É uma satisfação muito grande interpretar a Tia Ciata, mas também muita responsabilidade. Ela é uma figura muito importante na história do samba, uma mulher que foi muito respeitada e que fez da sua casa um local seguro para as raízes africanas até o início do século passado — conta dona Marinete.

“O Samba” não abrirá mão do batuque e levará ao palco as percussões típicas do estilo. Em sua narrativa, a peça passará pela polêmica rixa entre Noel Rosa e o campista Wilson Batista — protagonistas de um simbólico duelo de composições. Coordenador do Módulo II do Curso Livre de Teatro, Dedé Muylaert, comenta que a montagem é uma valorização da cultura popular.

— Para contar sua história, este espetáculo traz o próprio samba na figura de um malandro. Temos em palco os atabaques, a roda de capoeira e o som dos terreiros. O curso de Teatro tem ênfase na reafirmação das raízes culturais brasileiras e campistas. Temos o papel de reafirmação de identidade e isso é de grande importância para quem passa pelo curso — comenta Dedé.
Por: Lívia Nunes - Foto: Silvana Rust -  21/11/2017 12:04:51

SUSPEITA DE MATAR EMPRESARIA EM MACAÉ NÃO SE APRESENTOU E DELEGADO PEDE SUA PRISÃO

Terceira Via

Delegado pede ao Juizo prisão da suspeita de matar empresária

Delegado pede à justiça prisão de mulher suspeita de matar empresária no trânsito de Macaé

Segundo Filipe Poeys, Islay Cristina não se entregou

GERAL 
POR GIRLANE RODRIGUES
 
21 DE NOVEMBRO DE 2017 - 15h29
Delegado Filipe Poeys, da 123ª Delegacia de Macaé (Foto: Silvana Rust)
O delegado titular da 123ª Delegacia Policial de Macaé, Filipe Poeys, pediu a prisão de Islay  Cristina Pereira de Souza à Justiça, nesta terça-feira (21). O juízo criminal da cidade ainda não emitiu, no entanto, o mandado de prisão. Com isso, Islay não é considerada foragida. O delegado confirmou às 15h desta terça que Islay também não se apresentou na delegacia para prestar esclarecimentos sobre o crime.
Ela é suspeita de ter matado a facadas a empresária Raquel Melo Mota, de 39 anos, na manhã do último sábado (18), também em Macaé, após uma discussão no trânsito.
Segundo a polícia, Islay teria avançado o sinal de trânsito e fechado o carro de Raquel, que buzinou. Elas discutiram e a suspeita teria descido do carro com uma faca e golpeado a vítima três vezes, fugindo em seguida.
Raquel sofreu perfurações no tórax e em um dos pulmões. Ela chegou a ser socorrida e levada ao Hospital Público de Macaé (HPM), onde passou por uma cirurgia para estancar o sangramento, mas não resistiu e morreu.
Islay Cristina é suspeita do crime (Foto: reprodução)
Islay Cristina é suspeita do crime (Foto: reprodução)
Islay é nascida em Fortaleza e responde na Justiça por crimes de lesão corporal, tanto no estado do Rio de Janeiro quanto no Ceará. Ela é proprietária de uma padaria, que permanece fechada desde o dia do crime.
Em publicação em uma rede social, a irmã de Raquel, Louise Neri, afirmou que Islay “trabalha na Câmara Municipal de Macaé”. Louise também afirmou que Islay foi candidata a vereadora de Macaé nas eleições de 2016 pelo Partido Republicano Brasileiro (PRB).
O jornal online Terceira Via entrou em contato por e-mail com a assessoria da Prefeitura de Macaé para saber se realmente a suspeita tem vínculo com a municipalidade.

MUGABE RENUNCIA AO PODER NO ZIMBABWE

G1

Robert Mugabe, depois de 37 anos, renuncia ao Poder no Zimbabwe. O povo comemora na capital, Harare. Leia no G1

Manifestantes exigem a saída do presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, durante protesto na via diante do Parlamento em Harare (Foto: Mike Hutchings/Reuters)

SUSPEITA DE ASSASSINAR EMPRESÁRIA DE MACAÉ SE APRESENTOU A POLÍCIA

Folha da Manhã

Suspeita de matar empresária durante briga de trânsito em Macaé se apresenta à polícia
ANA LAURA RIBEIRO 21/11/2017 13:31 - ATUALIZADO EM 21/11/2017 15:48
Raquel Melo Mota
Raquel Melo Mota / Reprodução - Facebook
A suspeita de ter matado a empresária Raquel Melo, de 39 anos, durante uma briga de trânsito, se apresentou à Polícia Civil na manhã desta terça-feira (21) na companhia de um advogado. A informação foi confirmada pelo comandante do 32º Batalhão Polícia Militar (BPM) de Macaé, Marco Vollme. O crime, considerado bárbaro e trágico, marcou o município, no último sábado (18). Raquel foi morta com três golpes de faca. Segundo a assessoria da Polícia Civil, uma coletiva de imprensa foi marcada para esta quarta-feira (22), na 123ª DP (Macaé), onde o delegado titular Filipi Poeys, vai apresentar resultados sobre a investigação, que está sendo realizada em sigilo.
A suspeita, que é oriunda de Fortaleza, no Ceará, foi funcionária da Câmara Municipal de Macaé, deixando de prestar serviços na casa no dia 31 de dezembro de 2016. O órgão, através de nota, disse que “se solidariza com os familiares e amigos da vítima”. Em sua cidade e também no Rio de Janeiro, segundo a polícia, ela já teria respondido a outros processos criminais, um deles, o de Fortaleza, em trâmite na 4ª Vara do Tribunal do Júri, que julga crimes contra a vida. A ação seria por lesão corporal contra outra mulher. Já na justiça do Rio, ela assinou um termo circunstanciado, após responder processo por Exercício Arbitrário das Próprias Razões (justiça com as próprias mãos). O caso também ocorreu em Macaé.
O crime — Segundo testemunhas, Raquel se envolveu na discussão após ter buzinado quando a suspeita avançou o sinal e fechou o carro em que ela estava. Durante a discussão, a suspeita pegou uma faca e golpeou Raquel Mota três vezes antes de fugir. Um dos golpes atingiu o tórax e perfurou o pulmão da vítima. Ela chegou a ser socorrida e levada ao Hospital Público de Macaé, mas não resistiu aos ferimentos.
O crime abalou o município e deixou a família consternada. Pelas redes sociais, o marido de Raquel, Vanderson Fernandes, também empresário – proprietário de uma empresa de transporte executivo –, compartilharam uma foto apontando uma mulher conhecida da sociedade de Macaé de ser a responsável pelo crime. Numa das postagens o marido se diz inconformado com a morte da esposa, por um motivo fútil.
Raquel junto ao marido
Raquel junto ao marido / Reprodução - Facebook
— Estou sem chão, mas quando isso tudo passar eu vou achar a pessoa que fez isso com você, meu amor. Sempre te amarei, levo você comigo no peito pelo resto da minha vida meu amor. O ser desprezível vai se apresentar amanhã na 123ª DP, não saio de lá antes de ver ela atrás das grades. Passo a noite lá se preciso for. Quero olhar nos seus olhos e perguntar por que fez isso com a minha rainha – trecho da publicação de Vanderson.
O casal, além das atividades empresariais, participava de atividades ligadas a filantropia e de ajuda ao próximo. Vanderson e Raquel eram integrantes do grupo “Amigos Palhaço”, que visita hospitais, asilos e instituições de caridade, buscando levar um pouco de alegria para crianças enfermas, ‘velhinhos’ e pessoas carentes. Raquel foi enterrada no último domingo no cemitério de Rio das Ostras e deixa uma filha de 13 anos.

CADEIA VELHA: TRF MANDA DEPUTADOS DE VOLTA A PRISÃO E OS AFASTA DE SUAS FUNÇÕES

G1

Sessão no TRF discute as prisões dos deputados Jorge Picciani,
Paulo Melo e Edson AlbertassiAdriana Cruz / Agência O DIA



Por unanimidade, os desembargadores do Tribunal Regional Federal do Rio de Janeiro votaram nesta terça-feira (21) pela revogação imediata da liberdade dos deputados federais Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi. A Justiça Federal também determinou o afastamento deles da Assembleia Legislativa (Alerj).

Os três haviam sido presos na Operação Cadeia Velha, desdobramento da Lava Jato no Rio, mas foram soltos após votação na Alerj na sexta-feira (17), sem que houvesse notificação judicial. Com a nova decisão, os três devem voltar à prisão ainda nesta terça, sem que a Alerj possa interferir.
Segundo o Ministério Público Federal (MPF), para deixarem a cadeia seria necessário um habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ). As defesa de Picciani e Albertassi disseram que os clientes vão se entregar e recorrer.

"Retrocesso que viola a Constituição Federal. Pela forma que ele procedeu da primeira vez, vai se submeter, mas recorrer das decisões. É uma decisão praticamente inócua. Deliberação incorreta que viola separação de poderes", argumentou Nélio Machado, advogado do presidente afastado da Alerj, Jorge Picciani.

O G1 ainda não conseguiu contato com a defesa de Paulo Melo.

Relator do processo contra os três deputados do PMDB, o desembargador Abel Gomes afirmou que o alvará de soltura feito pela Alerj é "esdrúxulo".

"Só pode soltar quem pode prender. Só pode expedir alvará de soltura quem expede mandado de prisão. Portanto, só poderia ser revogada [a prisão] por órgão judiciário", afirmou o relator.
Intervenção federal cogitada

Abel Gomes ainda pediu que o processo seja encaminhado ao presidente do Tribunal Regional Federal (TRF) e que, em caso de novo "obstáculo à corte", seja pedida uma intervenção federal no Rio de Janeiro.

"Em caso de mais um obstáculo criado à corte, peço que seja imediatamente encaminhado ao presidente do TRF para que ele, junto ao STF, peça intervenção federal no RJ. Pelo que se vê, quadro é preocupante", afirmou.

De acordo com Abel, no dia da votação na Alerj, as galerias que deveriam ser ocupadas pelo povo, foram "dissimuladamente tomadas por funcionários".

Por unanimidade, desembargadores federais do TRF-2 tinham decidido na quinta (16) pelas prisões dos deputados. De acordo com Abel, a soltura foi "uma completa violação de normas penais". Para o desembargador, a decisão "usurpou competência do TRF-2".

O desembargador Messod Azulay Neto, segundo a se pronunciar, também afirmou que a decisão da Justiça não foi acatada. "Vimos na sexta uma reunião da Alerj onde o cidadão tentou adentrar a casa do povo e foi impedido, a despeito de decisão judicial que também foi descumprida."
Os desembargadores Paulo Espirito Santo, Marcello Granado e Simone Schreiber também votaram pela prisão, finalizando a votação em 5 votos a 0.

Picciani, Paulo Melo e Albertassi integram a cúpula do PMDB no estado e são investigados pela Operação Cadeia Velha, que apura a prática dos crimes de corrupção, associação criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas pela presidência da Assembleia e outros cargos na Casa.

SUSPEITA DE MATAR EMPRESÁRIA DE MACAÉ PROMETE ENTREGAR-SE NESTA TERÇA

Terceira Via

Raquel Melo, a vítima

Suspeita de matar empresária a facadas em Macaé pode se entregar

Islay Cristina Pereira de Souza deve se apresentar nesta terça-feira na 123ª Delegacia de Polícia

GERAL
POR REDAÇÃO

21 DE NOVEMBRO DE 2017 - 9h28
Empresária Raquel de Melo Mota foi morta a facadas em um briga de trânsito, no sábado, em Macaé. (Foto: reprodução/redes sociais)
Suspeita de matar Raquel Melo Mota, de 39 anos, Islay Cristina Pereira de Souza deve se apresentar nesta terça-feira (21) na 123ª Delegacia de Polícia (DP), em Macaé. O crime aconteceu na manhã de sábado, no município. O corpo da empresária foi sepultado domingo, no Cemitério do Âncora, em Rio das Ostras.
Episódio de violência que chocou Macaé e toda a região aconteceu durante uma briga de trânsito. Islay, que é considerada foragida, teria avançado o sinal e fechado o carro de Raquel, que buzinou. Uma discussão se seguiu à reação da empresária. A suspeita, então, teria descido do carro com uma faca e golpeado a vítima três vezes, fugindo em seguida.
Raquel sofreu perfurações no tórax e em um dos pulmões. Ela chegou a ser socorrida e levada ao Hospital Público de Macaé (HPM), onde passou por uma cirurgia para estancar o sangramento, mas não resistiu.
Islay Cristina Pereira de Souza é suspeita do crime. (Foto: reprodução)
Islay Cristina Pereira de Souza é suspeita do crime. (Foto: reprodução)
Islay é natural de Fortaleza e tem passagens pela Justiça por lesão corporal, tanto no estado do Rio de Janeiro quanto no Ceará. Ela é proprietária de uma padaria, que permanece fechada desde o dia do crime.
Em publicação em uma rede social, a irmã de Raquel, Louise Neri, afirmou que Islay “trabalha na Câmara Municipal de Macaé”. Louise também afirmou que Islay foi candidata a vereadora de Macaé nas eleições de 2016 pelo Partido Republicano Brasileiro (PRB).
O jornal online Terceira Via entrou em contato por e-mail com a assessoria da Prefeitura de Macaé para saber se realmente a suspeita tem vínculo com a municipalidade. A Polícia Civil também foi procurada para informar o andamento das investigações, mas até o momento não houve resposta. Assim que as demandas forem respondidas, o jornal publicará todas as versões.

VEJA MUDANÇAS NAS CERTIDÕES, A PARTIR DE HOJE, 21

O Diario


Veja mudanças nas certidões de nascimento, casamento e óbito que passam a valer nesta terça

Novos modelos de formulários para certidões de nascimento, casamento e óbito, que serão confeccionados pela Casa da Moeda (Foto: Divulgação/MJ)
As certidões de nascimento, casamento e óbito passam a ser diferentes a partir desta terça-feira (21). O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) mudou os registros que passaram a conter, entre outras coisas, o número do CPF. A intenção é a de que o documento se torne o número de identidade civil único.
Outra mudança é que os documentos passam a levar o termo “filiação” e não mais o termo “genitores”. De acordo com o governo, é possível o recém-nascido ter dois pais, duas mães, uma mãe e dois pais e assim por diante. O mesmo vale para casais que tenham optado por técnicas de reprodução assistida, como é o caso da barriga de aluguel e da doação de material genético. Todas as mudanças passam a valer em todo o Brasil.
Nas certidões de óbito, o lançamento de todos os documentos permitirá o cancelamento automático dos documentos do falecido pelos órgãos públicos, contribuindo para a diminuição de fraudes.
Veja mais informações sobre as mudanças no site do CNJ e do Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo (Arpen-SP).Em setembro, o presidente Michel Temer sancionou a lei que muda as regras para registro de nascimento e casamento, que, entre outros pontos, permite que a certidão de nascimento indique como naturalidade do bebê o município de residência da mãe, em vez da cidade onde ocorreu o parto.
Defensores das mudanças nas regras de registro argumentavam que pequenos municípios não têm maternidades, o que obriga as grávidas a se deslocarem para outras cidades para darem à luz. Nesses casos, pode acontecer de o bebê ser registrado em uma cidade com a qual os pais não têm vínculo afetivo.
Fonte: G1

ABAIXO ASSINADO

Katia Vallier acaba de compartilhar uma atualização no abaixo-assinado "Aprovem o remédio que minha filha Julia precisa antes que seja tarde demais!" Dê uma olhada e deixe um comentário
ATUALIZAÇÃO DO ABAIXO-ASSINADO

Ainda estamos na luta!!

O governo ainda não normalizou a entrega do medicamento, o que nos faz ficarmos ansiosos e preocupados, sem saber se virá a dose para o mês ou não. Antes a entrega era pelo menos para seis meses de tratamento.
Ler atualização completa
Você assinou o abaixo-assinado de Katia Vallier, «Aprovem o remédio que minha filha Julia precisa antes que seja tarde demais!» o out 24, 2017
A pessoa (ou organização) que iniciou este abaixo-assinado não é afiliada à Change.org. A Change.org não criou este abaixo-assinado e não é responsável pelo conteúdo do mesmo. Para parar notificações ou novidades sobre este abaixo-assinado, clique aqui.