segunda-feira, outubro 27, 2014

CRIVELLA E GAROTINHO NA JUSTIÇA CONTRA AS ELEIÇÕES PERDIDAS

O bispo Marcelo crivella e o deputado federal, Anthony Garotinho, ambos, derrotados duas vezes, nas eleições de 2014 para Governador do Rio, primeiro e segundo turnos, recorreram ao tapetão para tentar anular o processo eleitoral.

Prometem ir às últimas instâncias. Até ao Supremo Tribunal Federal, se for preciso.

Aos perdedores, o reconhecimento da vontade soberana do eleitor, ou as batatas.

10 comentários:

  1. Kkkkkkk
    Chafurda chafurda e não aprende!
    Foraaaa

    ResponderExcluir
  2. CRIVELA ESTA SE MOSTRANDO DE FORMA RIDICULA. O PIOR QUE AINDA TEM A CARA DE PAU DE DIZER QUE RESPEITA AS URNAS , ISTO É A DECISÃO DO POVO. PIOR TEMBÉM É A ATITUDE DO EX-GOVERNADOR GAROTINHO QUE ACUSA DE FRAUDE NAS URNAS, SE ELE GANHASSE AS ELEIÇÕES OU ATÉ MESMO FOSSE PARA O SEGUNDO TURNO ESTARIA FALANDO ISSO????? ENTÃO TAMBÉM CORRE UM SERIO RISCO A ELEIÇÃO PARA DEPUTADO QUE ELEGEU A SUA FILHA, OU SERÁ QUE A FRAUDE É SÓ PARA QUANDO ELE PERDE???? ELE TEM QUE ENTENDER QUE ELE ESTA MAL NO ESTADO E NA CIDADE EM QUE ELE NASCEU, PRINCIPALMENTE PELO DESCASO EM RELAÇÃO AOS SERVIDORES PUBLICOS QUE DIGA-SE DE PASSAGEM AINDA FORAM MAIS HONESTOS QUE OS CABOS ELEITORAIS "TRAVESTIDOS" DE TERCEIRIZADOS QUE FORAM OS QUE MAIS POUCO CASO FIZERAM DA CAMPANHA DELE AO GOVERNO DO ESTADO, LEMBRANDO AINDA QUE APROVEITARAM PARA "ZOAREM" OS DAS E SECRETARIOS QUE ESTAVAM BANCANDO OS CABOS ELEITORAIS QUE PARA MITOS FOI UM ATO DE HUMILHAÇÃO!!!!! VIRARAM PIADA NAS RUAS!!!!!!!!!!!! SERÁ QUE SÓ ELES QUE NÃO VIRAM??????????? SERÁ QUE NINGUEM TEM CORAGEM DE AVISAR QUE AS ATITUDES ESTAVAM E ESTÃO SÓ PIORANDO A VISÃO DO POVO EM RELAÇÃO AO CASAL???????

    ResponderExcluir
  3. Prefeitura de Campos fez rombo de R$ 600 mi para campanha política.
    Menos de um mês após a eleição que derrotou o candidato ao Governo do Estado Anthony Garotinho (do Partido da República), Campos experimenta o mesmo momento turbulento que viveu o ex-governador depois que recebeu o resultado da apuração dos votos no dia 5 de outubro.

    ResponderExcluir
  4. Segundo informações de fontes ligadas à Secretaria de Governo, do início da campanha eleitoral deste ano até agora foram gastos mais de R$ 600 milhões dos cofres da Prefeitura de Campos dos Goytacazes – dinheiro público usado na campanha do ex-candidato. Coincidência ou não, pequenas, médias e grandes empresas instaladas na cidade - e que prestam serviços à prefeitura - estão fechando as portas ou tomando empréstimos bancários porque não receberam os repasses que lhes eram devidos.

    Funcionários públicos contratados de várias repartições do município estão sem receber pagamento. Isso ocorre porque os cofres da prefeitura estão absolutamente vazios, à espera de mais um repasse dos royalties do petróleo para retomar o fluxo de caixa que, atualmente, inexiste.

    ResponderExcluir
  5. Enquanto o resultado das últimas eleições paira negativamente sobre a cidade, a população mais uma vez é quem paga o pato. Um exemplo disso é a greve dos rodoviários que acontece desde o dia 29 de setembro. Segundo um empresário, dono de uma viação de ônibus - que com medo de sofrer represálias da prefeitura não quer ser identificado - a instabilidade política em Campos começou a se agravar nos meses que antecederam a campanha eleitoral. “Eu não tenho dúvidas de que a prefeitura tirou dinheiro de Campos para usar na campanha eleitoral de Garotinho. Prova disso é a falta de repasse financeiro não só para empresários do ramo rodoviário, mas para pagar pequenas construtoras, agências de publicidade e os salários dos funcionários contratados”, opinou.

    Curioso é que logo no primeiro contato com nosso repórter – e antes mesmo de ser arguido – o empresário perguntou: “Você veio falar dos 600 milhões”? – sinalizando que o esvaziamento dos cofres é fato conhecido por muitos.

    O empresário vai além e faz uma grave denúncia. De acordo com ele, desde agosto deste ano – período quando de fato as campanhas eleitorais começaram – a prefeitura superfatura 50% do valor líquido repassado para as empresas de ônibus que atuam em Campos. “Por exemplo, recebemos R$ 2,38 mais R$ 1 por passageiro pagante que embarca no itinerário Farol - Campos. Desses R$ 3,38 a prefeitura repassa apenas R$ 1,68. Ou seja, durante a campanha, o governo municipal embolsou a metade de toda a receita das empresas. Essa é apenas uma explicação para o rombo de R$ 600 milhões que a prefeitura deu nos cofres públicos”, ressaltou.

    Nos primeiros dias de agosto, pouco antes do início da campanha eleitoral, o PR era um dos partidos que mais tinha dinheiro arrecadado. Naquela ocasião, o tesoureiro do partido no estado, Carlos Carneiro, chegou a dizer que R$ 3 milhões eram fruto de doações depositadas na conta do diretório nacional do partido. Esses recursos foram repassados ao diretório estadual da legenda.

    A equipe de reportagem do jornal Terceira Via procurou Carlos Carneiro para saber o valor total arrecadado no final da campanha e de onde saíram os mais de R$ 3 milhões doados somente no início. Ele, porém, informou que estava em reunião e não retornou as ligações. Também em agosto – época em que repercutiu o montante arrecadado pelo PR - Carneiro disse que “o valor de quanto cada um doou e de onde veio o dinheiro só aparecerá em novembro, na prestação final de contas”.

    Em Campos, a Secretaria Municipal de Controle Orçamentário e Auditoria é de responsabilidade de Walter Jobe. A equipe de reportagem do jornal tentou falar com o secretário para confirmar se, de fato, existe um déficit de mais de R$ 600 milhões nos cofres públicos e para saber o porquê de a prefeitura não estar repassando o valor que deveria para empresários e prestadores de diversos serviços, mas ele não foi encontrado.

    Os royalties do petróleo são tributos pagos pelas empresas que exploram o minério como forma de compensar danos e riscos ambientais inerentes à atividade. A Lei dos Royalties – assinada pela presidente Dilma em setembro do ano passado - obriga o Governo Federal, estados e municípios a aplicar 75% do dinheiro em educação e 25% na saúde. O texto não prevê, no entanto, a fiscalização ou punição pela aplicação indevida dos recursos. Mas o dinheiro dos royalties não pode - de forma alguma – patrocinar campanha política, pagar o funcionalismo ou quitar dívidas com a União. Como o mau uso de qualquer verba pública se configura crime, é de se supor que o Ministério Público Federal ou mesmo a Polícia Federal deveriam investigar tais irregularidades.

    ResponderExcluir
  6. ADEMIR ALVES(BAIXA GRANDE)27 de outubro de 2014 16:33

    CHORO DE PERDEDORES! NA VIDA TEMOS QUE
    SABER GANHAR E PERDER. É DESSE JEITO.

    ResponderExcluir
  7. Fernando nas fazendas do crivela tem muita área para prantar batatas favas, é o que deve fazer que saco

    ResponderExcluir
  8. GERP - GAROTINHO EXTREMENTE REJEITADO POLITICAMENTE. jose c b

    ResponderExcluir
  9. Onde está a PF ?
    Suspeitas sérias de roubo e nada acontece?
    Como se explica um município bilionario com um dos piores Ideb na educação básica do Estadi?
    Como se explica esse mesmo município com essa absurda falta devteansportes públicos?
    Como se explica obras ,inicialmente já licitadas a preços devorei ter tanto afitivoscevnuncacyerminatem?
    Como se explica até medicamentos faltarem nos postoscdevsaude?
    Como se explica autoridadescdo MinisyeriobPublico Federal e PF?

    ResponderExcluir
  10. CHAME O AVIÃO PRETO CAMPISTAS!

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião