sábado, agosto 30, 2014

CENTRO DA CIDADE; GATO POR LEBRE?

Ando pelo centro velho de Campos e uma inquietação me assalta. Afinal, o que a prefeitura executa na área: uma revitalização ou uma restauração?
Sim, porque para meu time de futebol de salão de neurônios, são duas expressões que guardam conceitos distintos.
À meu ver, sem consultar dicionário, revitalização é dar novo vigor, consertar, o que já existe; ao passo que restauração é recompor, de forma meticulosa e fidedigna, o que havia.
Na obra do centro, nem tico, nem teco.
O que se vê, além das galerias, é aquela urbanização massificada pela maioria das cidades, com elevação de piso nas confluências das ruas estreitas.
A impressão que tenho é que ao final do milionário contrato, mais de 60 milhões de reais, a cidade terá um centro melhorado, mas à anos-luz, do majestoso logradouro que já foi um dia, com destaque para a lendária Rua do Homem em Pé, imortalizada nas obras de Zé Cândido e Osório Peixoto. Outra pérola histórica, o Chá-Chá-Chá, antes antiga estação dos bondes, foi transformada em um "não sei o quê". Poderia ser o bar que quiseram, com a a arquitetura da estação, ou então, da velha quitanda onde dona Justina, mãe de Patrocínio, já forra, vendia verduras.

Ontem, casualmente, encontrei a cena abaixo. Ao que parece um carro tentou entrar no calçadão e ignorou a fortaleza da barragem. Do jeito que tudo está, acho que é a história do nucleo central da cidade que está sendo atropelada. À preço de ouro.


3 comentários:

  1. Arrecadar !arrecadar!
    Sem serviço decentecprestar.Afinsl,por que ser diferente diante da indolência do campista em geral e d a cooptacao,ao que tudo indica,de uma parte da sociedade civil organizada.Sem dizer da oposição pífia que aponta para o "deve e teme".Ou será incompetência mesmo?

    ResponderExcluir
  2. Renato César Arêas Siqueira30 de agosto de 2014 19:45

    Fernando,

    caramba, estava pensado o mesmo mas não havia encontrado termo tão adequado como o que você encontrou. Lógico, trata-se de restauração, mesmo devido a nenhum equipamento urbano que pudesse proporcionar a revitalização com a retomada de uso pela população foi instalado, permanecendo o Centro, inabitado quando não ocorre o expediente comercial. Outro deslize de "quebrar as pernas" do argumento revitalização, está no trecho do citado Chá-Chá-Chá, Praça Prudente de Moraes, que foi abolida da memória urbana, sendo implantado anexo ao Chá-Chá-Chá, o novo modelo de liquidificador do século XXI.

    ResponderExcluir
  3. essa administração da Prefeita em nossa cidade é um lixo!

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião