domingo, setembro 30, 2018

MORRE A CANTORA ANGELA MARIA

G1


(Fotografia de Gilda Matta)

Nome artístico

Abelim Maria da Cunha nasceu em Macaé, no Rio de Janeiro. Ela passou a infância em Niterói, São Gonçalo e São João de Meriti. Filha de pastor protestante, desde menina cantava em corais de igrejas.

Ela foi operária tecelã e inspetora de lâmpadas em uma fábrica da General Eletric, mas queria ser cantora de rádio apesar da oposição da família.

Por volta de 1947, começou a frequentar programas de calouros e passou a usar o nome Angela Maria, para não ser descoberta pelos parentes.

Apresentou-se no “Pescando Estrelas”, de Arnaldo Amaral, na Rádio Clube do Brasil (hoje Mundial); na “Hora do Pato”, de Jorge Curi, na Rádio Nacional; no programa de calouros de Ari Barroso, na Rádio Tupi; e do “Trem da Alegria” - programa dirigido por Lamartine Babo, Iara Sales e Heber de Bôscoli, na Rádio Nacional.


Era do rádio
Em 1948, começou a cantar na casa de shows Dancing Avenida, onde foi descoberta pelos compositores Erasmo Silva e Jaime Moreira Filho. Eles a apresentaram a Gilberto Martins, diretor da Rádio Mayrink Veiga. Após um teste, ela começou carreira na emissora.

Em 1951, gravou pela RCA Victor os sambas “Sou feliz” e “Quando alguém vai embora”. No ano seguinte, sua gravação do samba “Não tenho você” bateu recordes de venda, marcando o primeiro grande sucesso de sua carreira.

Quando decidiu tentar a carreira de cantora, Angela Maria abandonou os estudos, o trabalho na indústria e foi morar com uma irmã no subúrbio de Bonsucesso.

Princesa e rainha do rádio
Durante a década de 1950, atuou intensamente nas rádios Nacional e Mayrink Veiga, como a estrela de “A Princesa Canta”, nome derivado de seu título de “Princesa do Rádio”, um dos muitos que recebeu em sua carreira.

Em 1954, em concurso popular, tornou-se a “rainha do rádio”, e no mesmo ano estreou no cinema, participando do filme “Rua sem Sol”.

Morre em São Paulo, aos 89 anos, a cantora Ângela Maria

'Sapoti'
Encantado pela voz de Angela Maria, Getúlio Vargas lhe deu o apelido de “Sapoti”. "Menina, você tem a voz doce e a cor do sapoti", teria dito o presidente.

Ainda durante a década de 1950, vários de seus sambas-canções viraram sucessos, como “Fósforo queimado”, “Vida de bailarina”, “Orgulho”, “Ave Maria no morro” e “Lábios de mel”.

Na segunda metade da década de 1960, foi a vez de “Gente humilde” ser destaque nas paradas de sucesso.

Em 1982, foi lançado o LP Odeon com Angela Maria e Cauby Peixoto, primeiro encontro em disco dos dois intérpretes. Em 1992, a dupla lançou o disco "Angela e Cauby ao vivo", após o show Canta Brasil.

Em 1996, foi contratada pela gravadora Sony Music e lançou o CD “Amigos”, com a participação de vários artistas como Roberto Carlos, Maria Bethânia, Caetano Veloso, Chico Buarque, entre outros. O trabalho foi um sucesso, celebrado em um espetáculo no Metropolitan (Claro Hall), no Rio de Janeiro, e um especial na Rede Globo. O disco vendeu mais de 500 mil cópias.

terça-feira, setembro 18, 2018

MUSICA E POESIA PARA FESTEJAR O MÊS DO IDOSO



Idosos do Centro Dia em tarde de musical Café com Leite
Atividade foi em comemoração ao Mês do Idoso. O ponto alto das atividades será realizado no dia 28, às 14h, com o tradicional baile no Tênis Club de Campos.




Por: Patrícia Barreto - Foto: Renan Liu -  17/09/2018 - 18:38:25


Dando prosseguimento à programação do Mês do Idoso, o Centro Dia recebeu na tarde desta segunda-feira (17), a peça musical “Café com Leite”, com Fernando Leite e João Damásio. No final do espetáculo foi servido um delicioso lanche.  As atividades culminam no dia 28, às 14h, com o tradicional baile no Tênis Club de Campos.

A superintendente de Envelhecimento Saudável e Ativo (SESA), Heloísa Landim, destaca o comprometimento do prefeito Rafael Diniz, da vice Conceição SantAnna e de toda a equipe da superintendência, na implantação e consolidação da Rede de Proteção Social firmada neste governo.

— Esta unidade, que em janeiro de 2017, foi encontrada abandonada desde agosto de 2016, foi recuperada e atualmente oferece serviços de atenção integral aos idosos, levando atendimento das necessidades básicas. Além de esporte, cultura e lazer. Nós, sempre vamos caminhar em direção à qualidade de vida, buscando recursos para melhorar a vida desses idosos assistidos e de outros que serão atendidos — destacou Heloísa Landim.

A gerente do Centro Dia do Idoso, Christiane Mazzini, ressalta que todas as segundas-feiras, deste mês de setembro, haverá atividades internas e externas e apresentações para marcar o Mês do Idoso.  “Juntos podemos transformar o dia a dia desses idosos que tinham a vida resumida a pegar remédio no postinho.  Não! Idoso tem direito à cultura, lazer e entretenimento”.

O casal Iza Maria dos Santos, 66 anos, e Deivis Nogueira, 72 curtiram abraçados as canções e poesias apresentados pela dupla Fernando Leite e João Damásio. “Como é bom programas como esse que nos remetem à juventude. Belas músicas, poesias que fazem um carinho na alma e no coração”, afirmaram em coro.

Mês do Idoso – As atividades do Mês do Idoso são uma realização da Prefeitura de Campos, através da Superintendência de Envelhecimento Saudável e Ativo.  A programação completa (AQUI) contém ainda dias de beleza, de música ao vivo, dança e palestras que envolvem o cotidiano da terceira idade.

quinta-feira, setembro 13, 2018

BOLSONARO É SUBMETIDO A NOVA CIRURGIA DE EMERGÊNCIA

Operação durou cerca de uma hora e candidato passa bem. Procedimento buscou corrigir aderência que estava obstruindo o intestino delgado
Por Da redação


Jair Bolsonaro sentado no Hospital Albert Einstein



A imagem foi divulgada no Twitter de Flávio Bolsonaro, que disse que o presidenciável iniciou fisioterapia - 08/09/2018 (Twitter/Reprodução)

O candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) passou por uma cirurgia na noite desta quarta-feira para corrigir uma obstrução no intestino delgado. O procedimento durou cerca de uma hora e foi bem-sucedido. O presidenciável passa bem. Segundo boletim médico divulgado pelo Hospital Albert Einstein, a nova operação buscava corrigir uma aderência que estava obstruindo o intestino delgado.

O problema foi detectado em uma tomografia de abdômen, realizada após Bolsonaro apresentar quadro de “distensão abdominal progressiva e náuseas”. A operação foi realizada pelo cirurgião Antônio Luiz Macedo.

PUBLICIDADE

Segundo pessoas próximas a Bolsonaro, ele começou a passar muito mal logo depois de voltar a se alimentar por via oral, na terça. O deputado se queixou de dores e quase não dormiu durante a madrugada.

No Twitter, Flávio Bolsonaro, um dos filhos do presidenciável, escreveu: “Meu pai está fazendo uma nova cirurgia agora, peço que continuem as orações, o estado dele ainda é grave”.


Flavio Bolsonaro 177 Senador_RJ

@FlavioBolsonaro
 Meu pai está fazendo uma nova cirurgia agora, peço que continuem as orações, o estado dele ainda é grave.

23:10 - 12 de set de 2018
22,9 mil
5.910 pessoas estão falando sobre isso
Informações e privacidade no Twitter Ads
O candidato levou uma facada na barriga em atentado durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG), na última quinta-feira. Desde sexta, o candidato está internado no Albert Einstein, em São Paulo. Nesta terça, ele recebeu alta da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e se recuperava em uma unidade de cuidados semi-intensivos.

Na manhã desta quarta, em função do inchaço abdominal, os médicos informaram a suspensão da alimentação oral de Bolsonaro, que havia sido restabelecida na terça, e que o deputado federal voltou a receber nutrientes por meio de uma sonda.

terça-feira, setembro 11, 2018

PT ANUNCIA CANDIDATURA DE HADDAD EM LUGAR DE LULA

Por Thais Kaniak, Letícia Paris, Erick Gimenes e Rosanne D'Agostino, G1, Curitiba e Brasília

(Em carta, Lula desiste de candidatura e lança Haddad) (Giuliano Gomes)


O Partido dos Trabalhadores (PT) anunciou nesta terça-feira (11) que Fernando Haddad concorrerá à Presidência da República no lugar do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que teve o registro de candidatura rejeitado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O prazo dado pelo TSE para o partido apresentar à Justiça Eleitoral o substituto de Lula terminava às 19h desta terça. Na chapa original, Haddad era o vice. Na nova formação, a candidata à vice-presidência será Manuela D'Ávila, do PCdoB.

O anúncio foi feito em Curitiba, onde Lula está preso desde 7 de abril, cumprindo pena de 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso da Lava Jato envolvendo o triplex em Guarujá (SP).

Pela manhã, a executiva nacional do partido se reuniu em um hotel na capital paranaense. Haddad participou do encontro e chegou à Superintendência da PF, onde Lula está preso, às 15h30.

Após se reunir com o ex-presidente, Haddad deixou o prédio da PF por volta das 17h15 e falou para a militância que esperava do lado de fora. Subiram o palanque com ele Manuela D'Ávila, a ex-presidente Dilma Rousseff, a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffman, e outros membros do partido.

Ele afirmou que recebeu "uma missão do ex-presidente". "Vamos dizer para o povo: você está sentindo a dor que eu estou sentindo, mas não é hora de voltar para casa de cabeça baixa. É hora de sair para a rua de cabeça erguida. Nós vamos ganhar essa eleição pelo Lula, pelo PT, pelo PCdoB, pelos movimentos sociais e pelo Brasil", disse o candidato.

No início da noite, às 18h27, os advogados da coligação PT/PCdoB/PROS registraram no TSE a candidatura de Haddad à Presidência e de Manuela D'Ávila como candidata a vice. Não houve ato político em frente ao tribunal.


Carta de Lula

Luiz Eduardo Greenhalgh, um dos fundadores do PT, leu uma carta de Lula, intitulada "Carta ao Povo Brasileiro" – mesmo título de um texto divulgado pelo petista nas eleições de 2002, quando foi eleito pela primeira vez.

Na carta, Lula afirma que foi "incluído artificialmente na Lei da Ficha Limpa" para não poder disputar as eleições e que teve que tomar uma decisão no prazo imposto pela Justiça.

"É diante dessas circunstâncias que tenho de tomar uma decisão, no prazo que foi imposto de forma arbitrária. Estou indicando ao PT e à Coligação 'O Povo Feliz de Novo' a substituição da minha candidatura pela do companheiro Fernando Haddad, que até este momento desempenhou com extrema lealdade a posição de candidato a vice-presidente", diz a carta.

"Ao lado dele, como candidata a vice-presidente, teremos a companheira Manuela D’Ávila, confirmando nossa aliança histórica com o PCdoB, e que também conta com outras forças, como o PROS, setores do PSB, lideranças de outros partidos e, principalmente, com os movimentos sociais, trabalhadores da cidade e do campo, expoentes das forças democráticas e populares", afirma Lula no texto.

Prazo

Os ministros do TSE rejeitaram a candidatura Lula em 1º de setembro e deram 10 dias para o PT substituir o candidato – prazo que terminava nesta terça.

Na segunda (10), a defesa do ex-presidente havia recorrido ao Supremo Tribunal Federal (STF) para ampliar o prazo até 17 de setembro. O recurso, entretanto, não chegou a ser analisado até esta terça, e o partido acabou decidindo por anunciar a substituição de Lula por Haddad.

Os advogados tinham feito o mesmo pedido ao TSE, que foi rejeitado pela presidente do tribunal, ministra Rosa Weber.

Caso o partido não apresentasse o substituto na chapa, de acordo com entendimento da Justiça Eleitoral, ficaria de fora da corrida presidencial, e o tempo de propaganda na TV seria redistribuído entre os demais partidos.


Ficha limpa

No julgamento de 1º de setembro, os ministros do TSE decidiram – por 6 votos a 1 – rejeitar o registro da candidatura de Lula à Presidência por considerarem o petista inelegível com base na Lei da Ficha Limpa.

Na ocasião, os ministros também decidiram que, até a substituição de Lula, o PT poderia continuar fazendo propaganda eleitoral, mas sem a participação dele como candidato.

Lula foi condenado em segunda instância em janeiro deste ano em julgamento da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). O ex-presidente afirma ser inocente.

Mesmo com Lula preso, o PT confirmou o ex-presidente como candidato ao Planalto em 4 de agosto. Haddad foi apresentado como vice, e um acordo com o PCdoB permitia a entrada de Manuela D’Ávila na chapa.

Em nota divulgada no site do ex-presidente na época, foi informado que Haddad seria o porta-voz de Lula até o trâmite final da homologação da candidatura dele na Justiça Eleitoral.

Em meados de agosto, o Comitê de Direitos Humanos da ONU solicitou que o Brasil garantisse os direitos políticos de Lula na prisão e que não o impedisse de concorrer na eleição de outubro até que todos os recursos da condenação dele sejam contemplados.


Entenda os pedidos de Lula pendentes de decisão no STF
O PT foi o último partido a registrar candidatura à Presidência. O registro da candidatura de Lula foi publicado no “Diário da Justiça Eletrônico” em 17 de agosto.

Ao todo, 13 candidatos concorrerão ao Palácio do Planalto neste ano. O primeiro turno está marcado para 7 de outubro e o segundo, para o dia 27.

Perfil de Haddad

Filho de comerciantes do Bom Retiro, na região central de São Paulo, aos 18 anos Haddad entrou para a faculdade de direito da Universidade de São Paulo (USP), no Largo de São Francisco. Formou-se bacharel em 1985.

Também pela USP, tornou-se mestre em Economia com especialização em economia política, em 1990, e doutor em Filosofia em 1996.

Foi professor de Teoria Política Contemporânea no Departamento de Ciência Política da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Sociais da USP, analista de investimento do Unibanco e consultor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

Em 2001, assumiu a chefia de gabinete da secretaria municipal de Finanças de São Paulo na gestão da prefeita Marta Suplicy. Dois anos depois, se tornou assessor especial do ministro do Planejamento, Guido Mantega. Depois, foi secretário Executivo do Ministério da Educação e se tornou ministro da pasta durante a gestão Lula.

Em 2012, deixou o cargo para disputar as eleições municipais de São Paulo. Foi prefeito da capital paulista de 2012 a 2016, e candidato do PT à reeleição, mas perdeu para o tucano João Doria.

segunda-feira, setembro 10, 2018

IBOPE NO RIO DE JANEIRO: EDUARDO PAES LIDERA E ROMÁRIO É SEGUNDO COLOCADO

Pesquisa Ibope no Rio de Janeiro: Paes, 23%, Romário, 20%, Garotinho, 12%
Tarcísio Motta tem 5%, Indio, 4%, Pedro Fernandes e Marcelo Trindade, 2%, Marcia Tiburi, André Monteiro, Dayse Oliveira e Wilson Witzel, 1%, Luiz Eugêncio, 0%. Levantamento foi feito entre 7 e 9 de setembro.
Por G1 Rio

Ibope divulga nova pesquisa eleitoral com candiatos ao governo do RJ

Pesquisa Ibope divulgada nesta segunda-feira (10) aponta os seguintes percentuais de intenção de voto para o Governo do Rio de Janeiro:

Eduardo Paes (DEM): 23%
Romário Faria (Podemos): 20%
Anthony Garotinho (PRP): 12%
Tarcísio Motta (PSOL): 5%
Indio (PSD): 4%
Pedro Fernandes (PDT): 2%
Marcelo Trindade (Novo): 2%
Marcia Tiburi (PT): 1%
André Monteiro (PRTB): 1%
Dayse Oliveira (PSTU): 1%
Wilson Witzel (PSC): 1%
Luiz Eugenio (PCO): 0%
Brancos/nulos: 20%
Não sabe/Não respondeu: 9%
A pesquisa foi encomendada pelo jornal O Globo e pela TV Globo. É o segundo levantamento do Ibope realizado depois da oficialização das candidaturas na Justiça Eleitoral.

No levantamento anterior, feito entre 17 e 20 de agosto, os percentuais de intenção de voto eram os seguintes: Romário Faria: 14%; Eduardo Paes: 12%; Anthony Garotinho: 12%; Tarcísio Motta: 5%; Indio: 3%; Pedro Fernandes: 2%; Marcelo Trindade: 1%; Marcia Tiburi: 2%; André Monteiro: 1%; Dayse Oliveira: 1%; Wilson Witzel, 1%; Luiz Eugênio: 0%; brancos/nulos/nenhum: 35%; não sabe: 11%.

Sobre a pesquisa
Margem de erro: 3 pontos percentuais para mais ou para menos
Quem foi ouvido: 1.204 eleitores em 39 municípios de todas as regiões do estado, com 16 anos ou mais
Quando a pesquisa foi feita: 7 e 9 de setembro
Registro no TRE: RJ-01952/2018
Registro no TSE: BR‐08034/2018
O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro
0% significa que o candidato não atingiu 1%. Traço significa que o candidato não foi citado por nenhum entrevistado
Espontânea
Na modalidade espontânea da pesquisa Ibope (em que o pesquisador somente pergunta ao eleitor em quem ele pretende votar, sem apresentar a relação de candidatos), o resultado foi o seguinte:

Eduardo Paes (DEM): 11%
Anthony Garotinho (PRP): 7%
Romário Faria (Podemos): 6%
Tarcísio Motta (PSOL): 3%
Wilson Witzel (PSC): 1%
Indio (PSD): 1%
Marcelo Trindade (Novo): 0%
Marcia Tiburi (PT): 0%
Pedro Fernandes (PDT): 0%
André Monteiro (PRTB): 0%
Dayse Oliveira (PSTU): 0%
Luiz Eugenio (PCO): -
Outros: 3%
Brancos/nulos: 29%
Não sabe/Não respondeu: 38%

Rejeição
O Ibope também mediu a taxa de rejeição (o eleitor deve dizer em qual dos candidatos não votaria de jeito nenhum). Nesse item, os entrevistados puderam escolher mais de um nome. Veja os índices:

Anthony Garotinho: 50%
Eduardo Paes: 27%
Romário Faria: 22%
Indio: 16%
Tarcísio Motta: 13%
Marcia Tiburi: 11%
Pedro Fernandes: 10%
Marcelo Trindade: 10%
André Monteiro: 10%
Dayse Oliveira: 9%
Luiz Eugenio: 8%
Wilson Witzel: 8%
Poderia votar em todos (esp.): 3%
Não sabe/não respondeu: 14%
Segundo turno
Ibope simulou segundo turno entre Paes e Romário (Foto: Reprodução/TV Globo) Ibope simulou segundo turno entre Paes e Romário (Foto: Reprodução/TV Globo)
Ibope simulou segundo turno entre Paes e Romário (Foto: Reprodução/TV Globo)
O Ibope também apresentou cenários para o segundo turno:

Paes: 37%
Romário: 31%
Branco/nulo: 23%
Não sabe/não respondeu: 9%
Simulação de segundo turno entre Paes e Romário (Foto: Reprodução/TV Globo) Simulação de segundo turno entre Paes e Romário (Foto: Reprodução/TV Globo)
Simulação de segundo turno entre Paes e Romário (Foto: Reprodução/TV Globo)

Paes: 41%
Garotinho: 20%
Branco/nulo: 30%
Não sabe/não respondeu: 9%
Simulação do Ibope de segundo turno entre Romário e Garotinho (Foto: Reprodução/TV Globo) Simulação do Ibope de segundo turno entre Romário e Garotinho (Foto: Reprodução/TV Globo)
Simulação do Ibope de segundo turno entre Romário e Garotinho (Foto: Reprodução/TV Globo)
Romário: 40%
Garotinho: 21%
Branco/nulo: 29%
Não sabe/não respondeu: 10%
O Ibope também perguntou a intenção para o Senado do RJ.

BOLSONARO LIDERA NOVA PESQUISA DO IBOPE

Por G1, Brasília


O Datafolha divulgou nesta segunda-feira (10) uma nova pesquisa de intenção de voto para presidente da República. É o primeiro levantamento do instituto desde que o Tribunal Superior Eleitoral rejeitou a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Lula está preso em Curitiba, condenado a 12 anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro.

O Datafolha pesquisou o cenário em que o nome de Fernando Haddad, candidato a vice-presidente pelo PT, aparece como possível substituto de Lula na chapa.

O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro, que é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Vamos aos números:

Jair Bolsonaro (PSL): 24%
Ciro Gomes (PDT): 13%
Marina Silva (Rede): 11%
Geraldo Alckmin (PSDB): 10%
Fernando Haddad (PT): 9%
Alvaro Dias (Podemos): 3%
João Amoêdo (Novo): 3%
Henrique Meirelles (MDB): 3%
Guilherme Boulos (PSOL): 1%
Vera (PSTU): 1%
Cabo Daciolo (Patriota): 1%
João Goulart Filho (PPL): 0%
Eymael (DC): 0%
Branco/nulos: 15%
Não sabe/não respondeu: 7%
Em relação ao levantamento anterior do instituto, divulgado em 21 de agosto:

Jair Bolsonaro oscilou, dentro da margem de erro, de 22% para 24% (com a margem de erro, tem de 22% a 26%);
Ciro Gomes tinha 10%, agora tem 13% (pela margem de erro, de 11% a 15%);
Marina Silva estava com 16%, agora caiu para 11% (com a margem de erro, tem de 9% a 13%);
Geraldo Alckmin tinha 9%, agora, 10% (com a margem de erro, de 8% a 12%); Ciro, Marina e Alckmin estão tecnicamente empatados.
Fernando Haddad tinha 4%, agora cresceu para 9% (com a margem de erro, de 7% a 11%). Fernando Haddad também está tecnicamente empatado, no limite da margem de erro, com Ciro, Marina e Alckmin.
Álvaro Dias tinha 4%, agora tem 3% (com a margem de erro, de 1% a 5%);
João Amoêdo tinha 2%, agora, 3% (com a margem de erro, de 1% a 5%);
Henrique Meirelles também tinha 2%, agora 3% (com a margem de erro, de 1% a 5%). Os três estão empatados.
Guilherme Boulos, Vera Lúcia e Cabo Daciolo tinham 1% cada um e mantiveram 1% (com a margem de erro, têm de 0% a 3%);
João Goulart Filho tinha 1%, agora, 0% (com a margem de erro, tem de 0% a 2%);
Votos brancos e nulos somavam 22%, agora, 15%.
Não responderam ou não quiseram opinar eram 6%, agora, 7%.

Rejeição
O Datafolha também mediu a taxa de rejeição (o eleitor responde em qual dos candidatos não votaria de jeito nenhum). Nesse item, os entrevistados puderam escolher mais de um nome. Veja os índices:

Bolsonaro: 43%
Marina: 29%
Alckmin: 24%
Haddad: 22%
Ciro: 20%
Cabo Daciolo: 19%
Vera: 19%
Eymael: 18%
Boulos: 17%
Meirelles: 17%
João Goulart Filho: 15%
Amoêdo: 15%
Alvaro Dias: 14%
Rejeita todos/não votaria em nenhum: 5%
Votaria em qualquer um/não rejeita nenhum: 2%
Não sabe: 6%
Em relação à pesquisa anterior, a variação da taxa de rejeição foi a seguinte: Bolsonaro, de 39% para 43%; Marina, de 25% para 29%; Ciro, de 23% para 20%; Alckmin, de 26% para 24%; Haddad, de 21% para 22%.

Simulações de segundo turno
Marina 43% x 37% Bolsonaro (branco/nulo: 18%; não sabe: 2%)
Ciro 39% x 35% Alckmin (branco/nulo: 23%; não sabe: 3%)
Alckmin 43% x 34% Bolsonaro (branco/nulo: 20%; não sabe: 3%)
Marina 38% x 37% Alckmin (branco/nulo: 23%; não sabe: 2%)
Ciro 45% x 35% Bolsonaro (branco/nulo: 17%; não sabe: 3%)
Alckmin 43% x 29% Haddad (branco/nulo: 25%; não sabe: 3%)
Haddad 39% x 38% Bolsonaro (branco/nulo: 20%; não sabe: 3%)
Ciro 41% x 35% Marina (branco/nulo: 22%; não sabe: 2%)
Marina 42% x 31% Haddad (branco/nulo: 25%; não sabe: 3%)
Sobre a pesquisa
Margem de erro: 2 pontos percentuais para mais ou para menos
Entrevistados: 2.804 eleitores em 197 municípios
Quando a pesquisa foi feita: 10 de setembro
Registro no TSE: BR 02376/2018
Nível de confiança: 95%
Contratantes da pesquisa: TV Globo e "Folha de S.Paulo"

domingo, setembro 09, 2018

MORRE O FUNKEIRO MISTER CATRA

Por G1 SP

(Fotografia: Marília Neves)


Morre, aos 49 anos, o cantor e compositor Mr. Catra

O cantor de funk Wagner Domingues Costa, o Mr. Catra, de 49 anos, morreu neste domingo (9), por volta das 15h20. Natural do Rio de Janeiro, ele estava internado no hospital Hospital do Coração (HCor), na capital paulista. Catra deixou três esposas e 32 filhos.

A assessoria de imprensa do cantor disse que "com enorme pesar", comunica o falecimento de Catra, "em decorrência de um câncer gástrico".

No início de 2017, o cantor foi diagnosticado com um câncer no estômago. Na ocasião, ele disse que tinha parado de beber e reduzido o número de cigarros que fumava para realizar as sessões de quimioterapia.

Mr. Catra se formou em Direito, mas nunca exerceu a profissão. Ele começou sua trajetória na música em uma banda de rock, mas ficou conhecido mesmo no funk.

O primeiro disco lançado por Catra foi "O bonde dos justos". Um dos principais hits do cantor é "Uh Papai Chegou".

Nos anos 2000, Catra começou a fazer paródias de algumas músicas. 'Adultério', um de seus grandes sucessos, é uma versão de "Tédio", do Biquini Cavadão.

Há poucos meses o cantor gravou um clipe com a funkeira Valeska Popozuda. Em sua conta no Twitter, ela disse estar "arrasada" com a morte de Catra.


Valesca Popozuda

@ValescaOficial
 Eu estou arrasada com a morte do Catra! Sinto muito mesmo, estou em pedaços, hoje eu estou perdendo uma pessoa que foi um pai pra mim! Poucos sabem da importância dele em minha vida ! Descanse em paz meu amigo, descanse em paz Pq vc merece ser recebido nos braços do Pai #Luto

Outros famosos também lamentaram a morte do funkeiro nas redes sociais. O humorista Marcelo Adnet disse que está triste com a notícia. A atriz Maisa afirmou que ele irá deixar saudades. "Que Deus conforte os corações da família".

'Há setores da Justiça do Rio que se aliaram a um esquema criminoso', diz Garotinho

O Dia


Fotografia Estefan Radovicz


Por CÁSSIO BRUNO
- Atualizado às 09h05 de 09/09/2018


O candidato ao governo do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, visita a sede de O Dia. - 
Rio - Condenado em segunda instância por formação de quadrilha pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), Anthony Garotinho, candidato ao governo pelo PRP, é o entrevistado de hoje da série do DIA com os principais concorrentes ao cargo. Na quinta-feira, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ) o declarou inelegível por desviar R$ 234,4 milhões da Saúde no governo Rosinha, sua esposa. Ele nega. Garotinho recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e se mantém na disputa. Terceiro lugar no Datafolha, o ex-governador continua com a estratégia de atacar o Judiciário, o PMDB e os adversários Eduardo Paes (DEM), que lidera, e Romário Faria (Podemos), segundo colocado.
O DIA: O que mudará na campanha após a sua condenação?
ANTHONY GAROTINHO: Não muda absolutamente nada. Continuamos firmes e fortes. Isso acaba confundindo o eleitor.
Pode prejudicá-lo nas próximas pesquisas de intenção de votos?
Com certeza. Não tenha dúvidas. Um jornal chegou a afirmar que eu estava preso.
Álvaro Lins, então chefe da Polícia Civil, também foi condenado pelo TRF-2. O esquema de corrupção envolvia delegados acusados de receber propina para facilitar a exploração de jogos de azar.
A acusação é muito estranha. Diz que não houve combate às maquininhas (de caça-níquel). A gente apreendia. Eles (contraventores) entravam na Justiça, que, por sua vez, dizia que a competência era da Polícia Federal. Chegou um momento em que eu disse: vamos cuidar de outra coisa. A acusação contra mim é de que eu teria de saber o que os delegados faziam nas delegacias.
Mas o senhor chamaria o Álvaro Lins para fazer parte do governo?
Ele está excluído da polícia. Como vou chamar alguém que está excluído?
Para ocupar outro cargo.
A condenação dele foi injusta. Não é porque ele foi condenado que eu devo dizer que cometeu os crimes que são atribuídos a ele. Os crimes não procedem.
O senhor declarou que a Justiça do Rio precisa de intervenção do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Por quê?
Há setores da Justiça do Rio que assumiram um papel que não deveriam ter assumido. Foram aliados do esquema criminoso que foi denunciado por mim. Em 2012, fui pessoalmente ao Ministério Público Federal e protocolei uma notícia-crime, onde relatava, com provas documentais, os crimes que estavam sendo cometidos por Sérgio Cabral, Luiz Fernando Pezão, Sérgio Côrtes, Regis Fichtner, Wilson Carlos, Eduardo Paes, Jorge Picciani, Paulo Mello, Adriana Ancelmo e por outras autoridades estaduais e empresários. É lógico que, quando se toma uma atitude como essa, você se expõe. Também denunciei membros do Ministério Público e da Justiça.
O senhor foi preso três vezes por crimes eleitorais.
Não fui acusado de ter roubado nada. Foram medidas de retaliação. Uma atitude dos dois juízes e do promotor que atuaram no caso. Os denunciei ao CNJ e às respectivas corregedorias. Mas corregedorias internas protegem seus membros. Por isso, a intervenção. Embora a maioria de juízes e desembargadores seja correta, e o mesmo vale para o Ministério Público. São maçãs podres dentro de uma cesta boa. Comprometem a instituição. A minha candidatura não interessa a esse sistema. Eu denunciei um sistema.
No seu governo também houve corrupção.
Como existe em qualquer governo ou empresa. São casos isolados. Quando se organiza um governo para roubar, é o que caracteriza uma organização criminosa. Se um funcionário púbico ou de cargo de confiança perde a sua confiança e age errado, pode acontecer em qualquer lugar. Nos casos que ocorreram no meu governo, (os responsáveis) foram punidos. A eleição do Rio será o seguinte: se o eleitor optar pelo Eduardo Paes (DEM), sinaliza querer o mesmo sistema (de corrupção chefiado por Cabral).
Tem o Romário (Podemos), que também lidera as pesquisas.
Tenho respeito por ele como jogador. Para administrar o governo, usarei a expressão usada por ele para falar do Pelé: Romário, como jogador, é um craque. Como político, de boca fechada, é um poeta. O eleitor do Rio não pode nesta eleição correr o risco de perpetuar o sistema corrupto ou votar em candidato que não tem experiência para governar.
O senhor fala de corrupção do PMDB, mas foi do PMDB e fez parte do grupo do Sérgio Cabral.
Fiquei 18 anos no PDT. Fui para o PMDB depois de ser candidato à Presidência pelo PSB. Havia um conflito interno. O Eduardo Campos sonhava em ser candidato. Fui excluído do PSB. Brizola me chamou para voltar. Conversamos no sítio dele, em Itaipava. Estive também com o Moreira Franco, que me alertou que a Rosinha precisava ter maioria na Alerj. Falei de novo com Brizola. Ele entendeu e disse: "o PMDB é como prostituta. Vai para cama com todo mundo, faz amor com tudo mundo, mas não se apaixona por ninguém".
Mesmo assim, o senhor foi para o PMDB.
Mas não me envolvi. A imposição do Pezão como vice (na chapa de Cabral, em 2006) foi justamente por isso. O Cabral representava um grupo. Pezão e eu vínhamos do PDT. Já que o candidato a governador (Cabral) era do grupo do Picciani, do Paulo Melo, o vice teria de ser do meu grupo. Eu só não esperava que o Pezão caísse na tentação do patrimonialismo em função da convivência com o Cabral.
Qual será a prioridade do seu governo, caso eleito?
Qualquer governante, que tenha a mínima noção da situação do Estado, a prioridade é pôr as finanças em ordem. Fiz um plano para renegociar a dívida do estado sem a imposição desse ajuste fiscal, que traz prejuízo e é impossível de ser cumprido.
Mudará o processo de recuperação fiscal atual?
Isso. Quando digo que esse processo é impossível de ser cumprido, não estou me baseando em nenhuma argumentação filosófica. Um dos artigos (do acordo) diz que as parcelas que não forem pagas, no fim de três ou seis anos, serão quitadas uma para frente e outra para trás. E a parcela que não for paga será corrigida pela tabela Price (sistema de amortização de empréstimo. Tem como característica prestações iguais). Para um estado que não está conseguindo pagar uma parcela, como pagará duas? Impossível!
O que pretende fazer?
Os detalhes estão no meu plano de governo. São detalhes técnicos. Não valeria a gente antecipar. Mas asseguro a você que o Rio é viável. E só é viável se a primeira medida for resolver a questão fiscal e financeira.
Como será a política para os servidores?
A primeira coisa que um servidor quer é um calendário de pagamento. Na época em que governei, depois que normalizei o fluxo de caixa do Estado do Rio, fazia pagamento até o quinto dia útil e os servidores recebiam um calendário onde vinha marcado até o fim do ano a data do pagamento para eles se programarem. Não houve atraso. Mas existem algumas categorias que têm questões como as do planos de cargos e salários, e outras de reposição (salarial). Precisam ser vistas caso a caso.
Na segurança, haverá alguma medida imediata?
Prevenção, modernização e equivalência do confronto, que, aliás, será a primeira medida que vou adotar. Na minha época (de governador), havia o Getam (Grupamento Especial Tático Móvel). Era um comboio, com quatro patamos, com quatro policiais armados de fuzis em cada uma, e ficavam 24 horas por dia rodando as principais vias. A equivalência de força é princípio básico da polícia.
Haverá parceria com as Forças Armadas?
Utilizar as Forças Armadas não é ruim. Mas da forma como estão sendo utilizadas e como esse processo de intervenção começou, é absurdo.
Pedirá ou não apoio do Exército?
Tenho um plano para a segurança. Se eles puderem colaborar, serão bem-vindos. Mas não vou submeter o meu plano de segurança pública (ao Exército).
Hospitais com grandes emergências estão sucateados. Como resolver?
Vou reduzir e controlar as Organizações Sociais porque é um ralo de dinheiro.
Acabará com as OSs?
Não. Reduzir e controlar. Vou chamar os prefeitos para organizarmos. O SUS bem organizado é o melhor sistema. Também vou reabrir o Instituto Vital Brazil para produzir medicamentos e reabrir as farmácias populares.
Na educação, faltam professores e as escolas têm problemas de infraestrutura.
Na contramão, escolas foram fechadas. Vou mudar o papel da Faetec, que continuará com as suas escolas, mas coordenará a implantação do ensino técnico e tecnológico em todas as escolas estaduais à noite. Estudos mostram que, nos próximos 10, 15, anos, 16 milhões de postos de trabalhos vão sumir e surgirão outros. Se não capacitar os jovens, eles vão fazer o quê?
A despoluição da Baía de Guanabara ainda é um problema.
O programa começou com Brizola (financiado pela Agência de Cooperação Internacional do Japão e o Banco Interamericano de Desenvolvimento). Teve continuidade com Marcello Alencar, no meu governo e no da Rosinha. Parou com Cabral. É preciso retomar. Mas grandes obras foram feitas. Conversarei com esses organismos multilaterais.

sábado, setembro 08, 2018

BOLSONARO SEGUE SE RECUPERANDO BEM

Veja


Imagem de vídeo feita por Silas Malafaia
Por João Pedroso de Campos access_time 8 set 2018, 14h43 - Publicado em 8 set 2018, 11h19 more_horiz

A equipe médica do Hospital Albert Einstein que atende o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, divulgou no fim da manhã deste sábado, 8, um novo boletim sobre o estado de saúde dele. Bolsonaro foi esfaqueado durante um ato de campanha em Juiz de Fora (MG), na última quinta-feira, 6.

Segundo o boletim, o presidenciável se mantém em “consciente e em boas condições clínicas”, mesmo quadro informado ontem, e não tem sinais de infecção, possibilidade que preocupava os médicos por ter havido vazamento de massa fecal na cavidade abdominal dele.

“Os exames de imagem e laboratoriais realizados durante a avaliação médica mostram resultados estáveis. Encontra-se em boas condições cardiovascular e pulmonar, sem febre ou outros sinais de infecção. Mantem jejum oral, recebendo nutrientes por via endovenosa”, informa o boletim, assinado pelo cirurgião Antonio Luiz Macedo, o clínico e cardiologista Leandro Echenique e o superintendente do hospital, Miguel Cendorogio.

O Einstein informou por volta das 12h15 deste sábado que, por ordem médica, as visitas a Bolsonaro são restritas a esposa e filhos. Na sexta-feira, contudo, o presidenciável recebeu o senador Magno Malta e o pastor Silas Malafaia, que divulgou um vídeo ao lado do leito.

sexta-feira, setembro 07, 2018

BOLSONARO FOI TRANSFERIDO PARA SÃO PAULO

Bolsonaro no Twitter: 'Estou bem e me recuperando'
Candidato usou o Twitter para se manifestar após ter sido esfaqueado em Minas Gerais.
Por G1 SP

07/09/2018 14h09  Atualizado há 17 minutos

Bolsonaro transferido para São Paulo (Imagem Tv Globo)


Jair Bolsonaro 1️⃣7️⃣

@jairbolsonaro
 Estou bem e me recuperando! 👍🏻

2:05 PM - Sep 7, 2018
25.9K
8,516 people are talking about this
Twitter Ads info and privacy

O candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, afirmou na tarde desta sexta-feira (7), em sua conta no Twitter, que está se recuperando após ter levado uma facada durante ato de campanha no Centro de Juiz de Fora, em Minas Gerais nesta quinta-feira (6).

"Estou bem e me recuperando", disse. Depois, em outro tweet, Bolsonaro agradeu a família e os médicos.


Jair Bolsonaro 1️⃣7️⃣

@jairbolsonaro
 · 1h
 Estou bem e me recuperando! 👍🏻


Jair Bolsonaro 1️⃣7️⃣

@jairbolsonaro
Agradeço do fundo do meu coração a Deus, minha esposa e filhos, que estão ao meu lado, aos médicos que cuidam de mim e que são essenciais para que eu pudesse continuar com vocês aqui na terra, e a todos pelo apoio e orações!
Bolsonaro foi internado na manhã desta sexta no Hospital Albert Einstein, na Zona Sul de São Paulo. A transferência de Bolsonaro da Santa Casa de Juiz de Fora para o centro médico da capital paulista foi decidida pela família após médicos considerarem o estado de saúde dele "extremamente estável".

A cúpula do Einstein considerou que a transferência correu bem. Os principais riscos que serão monitorados são pneumonia (pois o candidato ficou muito tempo em choque e perdeu cerca de 2 litros de sangue) e infecção (por causa do vazamento de massa fecal na cavidade abdominal).

A previsão de internação é de sete a dez dias. A retomada das atividades só deve ocorrer em 20 dias. Boletim médico divulgado às 14h20 desta sexta diz que Bolsonaro passou por exames e está em boas condições clínicas.

No início da tarde, o hospital divulgou boletim médico informando que Bolsonaro deu entrada às 10h43 e levado à Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O candidato “passará por exames e uma avaliação médica realizada por equipe multidisciplinar”, segundo o boletim, assinado pelo diretor superintendente do hospital, Miguel Cendoroglo.

Apoiadores do candidato estavam na porta do hospital aguardando a chegada da ambulância. “Eu amo ele”, disse a professora Luci do Vale Rocha, de 60 anos. Acompanhada da amiga Valeria de Oliveira, aposentada de 71 anos, ela vestia camiseta com foto de Bolsonaro e carregava uma bandeira do Brasil.

Cirurgião do Hospital Albert Einstein acompanhou transferência de Jair Bolsonaro no voo
Pós-operatório
Bolsonaro estava internado na Santa Casa de Juiz de Fora, em Minas Gerais, onde passou por uma cirurgia após o ataque que sofreu na quinta (6), na mesma cidade mineira.

O médico do Albert Einstein que foi a Juiz de Fora e o acompanhou durante o voo, o gastroenterologista Antonio Luiz de Vasconcellos Macedo, gravou um vídeo em que elogiou a equipe da Santa Casa.

“Chegando lá, encontrei o candidato em excelentemente atendido pela equipe do doutor Eduardo, da UTI, que deve ser parabenizada. Uma cirurgia muito benfeita, de alta complexidade, pelo doutor Luiz Henrique, brilhante cirurgião de Juiz de Fora. Ou seja, um tratamento perfeito”, disse.

“O deputado já estava acordando, já estava bem consciente, ele recebeu pouca transfusão de sangue em função do grave sangramento que ele teve e hoje, apresentando melhora, nós optamos juntamente com a equipe de Juiz de Fora trazê-lo para cá e vamos continuar o tratamento dele no Hospital Israelita Albert Einstein”, acrescentou.

Segundo médicos ouvidos pela reportagem, o candidato está "extremamente estável", e não havia risco para a transferência. Por isso, a família de Bolsonaro decidiu pela internação no Einstein. Um médico do hospital paulistano acompanhou o candidato no voo.

Jair Bolsonaro chegou ao hospital em estado crítico

Em um vídeo gravado na Santa Casa de Juiz de Fora e divulgado pelo site "O Antagonista" e nas redes sociais pelo senador Magno Malta (PR), Bolsonaro diz que nunca fez mal a ninguém e que se preparava para os riscos da campanha eleitoral.

"Até o momento, Deus quis assim. Eu me preparava para um momento como esse porque você corre riscos. Mas, de vez em quando, a gente duvida, né! Será que o ser humano é tão mau assim? Nunca fiz mal a ninguém"

Bolsonaro foi atingido por uma facada na barriga durante um ato de campanha em Juiz de Fora na tarde desta quinta-feira (6). O agressor foi preso.

No momento em que foi esfaqueado, Bolsonaro fazia corpo a corpo com eleitores na região do Parque Halfeld. O suspeito de atacar o candidato foi identificado pela PM como Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos.

O agressor foi preso na delegacia da Polícia Federal em Juiz de Fora, onde confessou o crime. Ele transferido para o Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp), de Juiz de Fora por volta das 2h30. A PF investiga a participação de um segundo suspeito no ataque ao candidato.

Agressor de Jair Bolsonaro diz que Deus o mandou esfaquear o candidato

O advogado de Adélio, Pedro Augusto Lima Possa, disse que seu cliente assumiu a autoria do atentado, e que ele agiu por "motivações religiosas, de cunho político". "Ele não tinha intenção de matar, em momento algum. Era só de lesionar", disse Possa.

O agressor é formado em pedagogia. Atualmente, não há registro de filiação partidária dele, mas Oliveira foi filiado ao PSOL entre 2007 e 2014. Ele tem passagem na polícia em 2013 por lesão corporal.

A executiva do PSOL em Minas Gerais confirmou que o agressor foi filiado ao partido no passado e divulgou nota repudiando o ataque e cobrando uma investigação.

Colostomia